sábado, 18 de setembro de 2010

Acordei com Justin Bieber na cabeça

Justin Bieber

Sabe aqueles dias em que você acorda com uma canção qualquer dentro da sua cabeça? Uma canção que você nem gosta, mas que fica ali, a manhã inteira, num repeat infernal, rodopiando e rodopiando e rodopiando até você quase enlouquecer?

Pois bem. Eu decidi anotar todas as vezes que eu acordo com uma canção dessas grudada no meu ouvido e descobri, pasmo!, que o meu inconsciente (deve ser ele que faz essa sacanagem com a gente, não?) tem péssimo gosto musical.

As seis últimas canções que assombraram as minhas manhãs são canções que nunca frequentaram o meu iPod e que eu nunca ouvi inteiras. Mas parecem incubadas dentro de mim, como vírus, e sem que eu possa fazer nada para evitá-las.

Veja só:

1. Baby, baby, baby, ooooh... – O menino Justin Bieber esteve comigo numa quinta-feira. Terrível! Esse refrão girava sem parar na minha cabeça, elevando progressivamente o nível de glicose no meu sangue. Tive que recorrer ao Sepultura, em volume ensurdecedor, para me livrar de uma overdose de “Baby, baby, baby, ooooh...”

2. Shimbalaiê... – Até gosto da figura da Maria Gadú, mas ficar balbuciando “shimbalaiê”, “shimbalaiê”, “shimbalaiê”... a manhã inteira é foda!

3. Rebolation, tion, tion... – Tenho um problema seriíssimo com a deselegância da Bahia que sacoleja as ancas suadas sem parar. E tenho muito medo da Ivete Sangalo, a principal representante da cultura do Trio Elétrico. Sério! Às vezes, tenho pesadelos assustadores com ela. Uma noite, sonhei que a baiana pululante se apresentava no Madison Square Garden, em Nova York. Como assim? Quase tive uma parada cardíaca!

4. Bad Romance – Acordar com Lady Gaga é como ter um ataque epilético antes do café da manhã. Por mais que eu relutasse, meu corpo insistia em querer sair pelo apartamento dançando feito uma bailarina desconjuntada. Me contive com Yoko Ono berrando num blues improvisado.

5. Meteoro da Paixão – Essa nem vale comentar. Mas eu juro-por-Deus que acordei com a melodia dessa canção do sertanejo Luan Santana reverberando dentro do meu cérebro. Fiquei deprimido.

6. Boemia, aqui me tens de regresso... Gostei. Adoro o Nelson Gonçalves.

Depois de anotar as canções que infernizaram as minhas manhãs nos últimos dias, cheguei a uma única conclusão. É verdade: “o pop não poupa ninguém”. Principalmente, o pop mais ruim. E, por mais que você ouça repetidas vezes a Laurie Anderson cantando “para onde o amor vai quando o amor se vai?”, o que fica, lá no fundo da alma, parece ser mesmo o “rebolation”. 

Ai, ai...  Será que só eu acordo tão mal acompanhado assim?

2 comentários:

  1. OLá senho Indiota, Sou Do Karmo Carvalho, Jornalista do Folha dos Municípios na Cidade de Araci no interior da Bahia. Todos os dias bagunço a internet em busca de coisas nova e descobrir esse blog, gostei muinto de suas reflexões e opiniões e rir muito também, principalmente nesse post das músicas, isso acontece comigo também e acho que o meu sub também não tem bons afliter musical.... Valeu mesmo.

    ResponderExcluir
  2. P.Q.P ... acontece comigo.
    Só que eu acordo com a música mesmo.... que vem dos quiosques da praia... especialmente aos sabádos, domingos e feriados.
    E daí que a minha mente registra e repete... repete....repete...repete...
    E não adianta ir para uma praia deserta ... sempre aparece um carro com aparelhagem de som com as mesmas músicas para todos escutarem
    Sofro de transtorno compulsivo, obsessivo musical

    ( não anonima... patética )

    ResponderExcluir