quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Eu me amo (Paris Hilton)

Por Eduardo Logullo*

Paris Hilton

Ai, ai. Paris Hilton é quase tudo: socialite, dondoca, boneca deslumbrada, billionette, lesada, designer de moda, empresária, colecionadora de yorkshires e de chihuahuas, loura pérfida, loura boazinha, atriz, motorista que dirige meio bêbada, garota boboca, celebridade mais fotografada do planeta, jogadora de hockey e herdeira de megaimpério hoteleiro. Quando criança, a pobre coitada morava na maior suíte do Waldorf-Astoria Hotel, em Nova York. Odeia ser chamada de “ícone louro”. OK, mas mulata ela não é. Engolidora de homens? Sim. Seria estranho se ela se comportasse como namorada exemplar ou esposa prendada. O nome Paris Hilton é uma conjugação semiótica de brilho, poder, feérie, glam, dinheiro e coisas estratosféricas. Vamos, portanto, aos números dessa engolidora de espadas, ops, de rapazes: foi noiva do modelo Jason Shaw, namorou o cantor Nick Carter, noivou com o armador grego Paris Latsis (que logo foi trocado pelo também grego Strarvos Niarchos III), ficou um tempo com o guitarrista Benji Madden, rompeu com ele para trocar alianças com Doug Reinhardt (ator do seriado The Hills) e, no meio desse vai e vem, um vídeo doméstico dela transando com o namorado Rick Salomon bombou na internet. Isso em menos de três anos. Resumo da bagunça: Paris Hilton engole rapazes. Não engoliu nenhum marido porque dificilmente se casará. Pra quê? Ela gosta dela própria e se basta. Ela se engole. Paris Hilton é autofágica. Paris Hilton lambe Paris Hilton. Ai, ai. Adoro estrelas vazias como ela. 

Da série Engoli Meu Marido: Imelda Marcos | Tina Turner | Elizabeth Taylor | Nancy Reagan | Grace Kelly | Eva Perón | Madonna | Paris Hilton

*Eduardo Logullo é jornalista e maluco. 

Texto publicado originalmente na revista ffwMAG! 

Um comentário:

  1. Também acho Paris o máximo!
    VAi gostar de si mesmo assim no quinto dos infernos!

    ResponderExcluir