quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Private Dancer (Tina Turner)

Por Eduardo Logullo*

                 
As pernas de Tina Turner

O músico Ike Turner se tornara mais ou menos conhecido como pianista no início dos anos 1950, ao acompanhar grupos de som black no sul dos Estados Unidos. Entornava garrafas de Bourbon na goela, pegava garotas nos puteiros das estradas, adorava arruaças (a zona que todo jovem músico adora fazer). Ao formar sua própria banda, contratou três vocalistas que chamou de “Iketes”. Elas faziam coreografias, vestiam figurinos curtos e brilhantes, tudo para segurar a onda de Ike – sempre torto nos palcos. Acontece que ele se apaixonou por uma delas, Tina, cujo nome real era Anne Mae Bullock. E, pior: se casou com ela, formando a dupla Ike & Tina Turner. Pra quê. Tina apagou de vez o marido feioso nas apresentações, tornando-se uma sensação pelas imensas pernas, voz rascante e o bate-cabelo ininterrupto. Em pouco tempo, Tina Turner era a estrela da dupla. Ike, bebendo cada vez mais, tratou de resolver o problema a seu jeito: enchia Tina de porradas diárias, ameaças de morte, prendia a coitada em banheiros ou a amarrava aos pés da cama. Pra quê. A desgraça da vida de Ike já estava anunciada pelo destino. Tina em 1976 se separou do negão, iniciando a trajetória de megastar. Ele, sem luz, se fazia de vítima, chorava e nadava no álcool. Morreu aos 76 anos, dormindo o sono dos esquecidos. Tina prosseguiu altiva e bela. Conseguiu reduzir a nada o legado artístico de Ike – que hoje, bem-feito, não passa de uma página cagada (por ela) na história do rock. 

Da série Engoli Meu Marido: Imelda Marcos | Tina Turner | Elizabeth Taylor | Nancy Reagan | Grace Kelly | Eva Perón | Madonna | Paris Hilton 

*Eduardo Logullo é jornalista e maluco.

Texto publicado originalmente na revista ffwMAG!


Nenhum comentário:

Postar um comentário