quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Procura-se um psiquiatra

Indignação

No post anterior, intitulado “A primeira crise de ansiedade ninguém esquece”, falei sobre a minha primeira crise de ansiedade. Falei também sobre a decisão de procurar um psicólogo ou psiquiatra para saber o que acontece de errado comigo. Pois bem. Conversei com uma psicóloga, mas ela recomendou que eu me consultasse primeiro com um psiquiatra. Resultado: há mais de um mês tento marcar consulta com um psiquiatra através do meu plano de saúde (Samcil). E, até agora, não obtive sucesso. Foi aí que descobri, por meio de uma reportagem publicada na Folha, que marcar consulta com psiquiatra – para quem tem plano de saúde – é um verdadeiro inferno, com demora de até seis meses.

Já registrei três reclamações na Samcil. Mas toda vez que ligo para a Central de Atendimento da empresa, a moça repete a mesma ladainha:

“Ainda não há resposta para o seu pedido”.

Argumento que não estou pedindo favor nenhum à Samcil, mas exigindo meus direitos. Afinal, cumpro a minha parte do contrato, pagando a mensalidade do plano rigorosamente em dia. Falta à Samcil cumprir a parte dela, fornecendo a especialidade médica que necessito. A moça-robô nem ouve o que falo. E repete:

“Ainda não há resposta para o seu pedido”.

E, indiferente ao meu apelo, acrescenta com certo sarcasmo:

“Posso ajudar em mais alguma coisa?”.

É ou não para tirar qualquer um do sério? Eu, que ando irritado à toa, sinto meu estômago queimar. E recorro mais uma vez ao sal de fruta para acalmar minha gastrite nervosa. Mais do que o desrespeito com que as empresas no Brasil tratam os consumidores, é a sensação de impotência que me deixa ainda mais fulo da vida. Ao desligar o telefone, sentindo-me um completo idiota, exclamo para mim mesmo: “Porra, eu pago essa merda!”

Aposto que você – leitor ou leitora deste post – conhece bem esse sentimento de indignação que faz a gente perder as estribeiras. O problema é que, apesar de legítimo, esse sentimento não resolve a questão. Pior: me deixa ainda mais angustiado e descrente sobre essa conversa pra boi dormir de que o Brasil está melhorando.

Melhorando, uma ova! Continuo à espera – e sem saber até quando – de um psiquiatra que possa diagnosticar o que significa esse meu desânimo crônico: depressão, ansiedade ou frescura? Enquanto aguardo, o porteiro do prédio onde moro me entrega a próxima mensalidade da Samcil:

1) Pago?
2) Me mudo para a Dinamarca?
3) Encaro a fila do SUS em busca de um psiquiatra?
4) Pago um psiquiatra particular?
5) Me jogo pela janela?

Aceito sugestões.   
 

2 comentários:

  1. Eu acabei pagando particular apesar de ter plano de saúde. :(
    Também, fiquei internada no CTI e não consegui vaga pelo plano...
    Mas dermatologista é mole de conseguir vaga. Vai entender...

    ResponderExcluir
  2. É... fui para um psiquiatra particular tb. É uma grana violenta, mas que encaro como investimento, já que espero retorno!

    ResponderExcluir