domingo, 19 de setembro de 2010

Qual a relação entre tabagismo e sexo oral?

"Fumar é ser escravo do tabaco"

Um tempo atrás, uma associação francesa lançou uma campanha que mostrava garotos e garotas, ajoelhados, como se estivessem fazendo sexo oral em um homem de terno e gravata – aparentemente um executivo da indústria tabagista. No lugar do pênis, um cigarro. Abaixo, a seguinte frase: “Fumar é ser escravo do tabaco”. A campanha causou polêmica na França e foi cancelada, depois das reações descontroladas das beatas, que consideraram os cartazes “um ultraje público ao pudor”.

A mensagem da campanha era clara. Apresentava os fumantes como pessoas submissas, sem vontade própria, que obedecem como "cachorrinhos" aos desejos escabrosos do “poderoso chefão” da indústria do tabaco. Dessa forma, queria envergonhar os fumantes, incentivá-los a reagir contra o “senhor” que os escraviza e, assim, fazê-los abandonar o vício. Mas quem disse que sexo oral é submissão?

Posso estar errado, mas essa campanha deve ter causado mais efeito nas mulheres. As razões para eu pensar assim são duas: 1) As mulheres não gostam de fazer sexo oral. Sentem nojo. Acham imoral e sujo; 2) As mulheres gostam de fazer sexo oral, mas sentem-se subjugadas. Associam o ato a algum tipo de depreciação em relação a elas. O sexo, neste caso, vem acompanhado de ideologia feminista e todo blábláblá sobre “o poder do macho sobre a fêmea”. Para essas mulheres, “ajoelhar-se diante do homem” significa submissão, compactuar com “séculos de dominação masculina”.

Oras bolas, carambolas! Que tal se toda ideologia ficasse bem longe da cama? Quer parar de fumar, pare. Mas não seria mais proveitoso usar a boca, os lábios, a língua e até os dentes (se souber usar, claro!) para algo mais prazeroso que discursos aborrecidos sobre a conturbada relação entre homens e mulheres?

Afinal, quase nunca é o homem quem está no comando, como bem sabe toda mulher consciente do seu poder de sedução.

Um comentário:

  1. Esta campanha publicitária é tão careta quanto as "beatas" histéricas. (ao menos no contexto social em que vivemos). E prova maior de que quem está em posição submissa é quem, de fato, está no comando é o poder de parar na hora em que desejar, e assim enlouquecer o portador do direito à felação rs rs...

    ResponderExcluir