quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Quando começa o século 21?

Barack Obama, o primeiro presidente negro dos EUA

A primeira década do século 21 se foi. Mas o que realmente mudou nesses dez anos? O que há de novo no horizonte?

Se fizermos uma comparação entre os séculos 19 e 20, veremos que são períodos bem diferentes, com avanços surpreendentes entre um e outro. É o caso, por exemplo, da roupa de baixo feminina. Na passagem dos séculos, a peça foi diminuindo de tamanho até chegar ao minúsculo modelo atual. Foi uma evolução e tanto, que acompanhou a emancipação das mulheres e descambou na inevitável “guerra” entre os gêneros.

Pois bem. Passamos pelo século 20 e estamos agora no 21. Algumas mudanças importantes já ocorreram: 1) uma suposta nova consciência ambiental; 2) a popularização da internet e do celular; 3) a invenção do iPad e da Lady Gaga; e 4) um presidente negro no comando da Casa Branca. De resto, o mundo parece continuar igual ao que era antes do ano 2000. Por isso, aqui vão algumas indagações que considero pertinentes para que o novo século se distancie definitivamente do anterior:

1) Até quando os homens vão vestir paletó e gravata?
2) Até quando as mulheres vão sonhar em entrar numa igreja vestidas de noiva?
3) Até quando os Estados Unidos mandarão no mundo?
4) Até quando a indústria automobilística venderá carros movidos a gasolina?
5) Até quando assistiremos a novelas da TV Globo?
6) Até quando velhas canções de Chico e Caetano serão regravadas por “novas” cantoras de MPB?
7) Até quando existirão jornais e revistas impressos?
8) Até quando o Galvão Bueno narrará jogos da seleção brasileira de futebol?
9) Até quando Madonna – com ou sem Jesus – será notícia?
10) Até quando seremos obrigados a usar preservativos?
11) Até quando viveremos sob as regras canalhas do mercado financeiro?
12) Até quando o Brasil será governado por essa politicanalha que está aí?
13) Até quando haverá “horário comercial”?
14) Até quando a sociedade ainda se espantará com a homossexualidade?
15) Até quando combateremos o tráfico de drogas? 
16) Até quando teremos imitadores do Silvio Santos?
17) Até quando carregaremos no RG apenas os gêneros masculino e feminino?

Repare: tudo isso ainda é muito século 20. E acho que só entraremos de vez no século 21 quando essas coisas – entre várias outras – deixarem de fazer parte da nossa realidade. Isso deve acontecer daqui a alguns anos. De 2030 em diante, talvez. Quando meninos e meninas nascidos a partir do ano 2000 serão “gente grande” e estarão na linha de frente das transformações que inevitavelmente ocorrerão. Pena que muitos de nós não estaremos mais aqui para ver esse admirável mundo novo – livre das ideias obsoletas de pessoas do século que se foi.

Na verdade, para que essas mudanças realmente aconteçam, infelizmente é necessário que não estejamos mais aqui. Afinal, somos nós, seres do século passado, que costumamos atravancar os avanços com nossas convicções e ideologias “fora de moda”. E nem adianta tentar parecer “moderno” ou posar de “agente das transformações”, como fazem alguns velhos yuppies que só porque usam e-mail, Twitter e tênis All-Star acham que integram a “grande revolução” que está por vir.

Se você tem mais de 30, conforme-se com seu atual papel no mundo: refugo da história. Suas ideias, caro leitor ou leitora, já não correspondem aos fatos, como cantava Cazuza em "O Tempo Não Para". Viu? Citei Cazuza, um cara do século 20. Sou refugo e não nego.

Que venham logo os Cyber Sapiens! 

Um comentário: