sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Aos militantes, bananas!

Nem tente me catequizar

Ai, ai... como são chatos os militantes.
Veja a definição do Michaelis: “Agressivamente ativos por uma causa”. Ou seja, chatos!
Não há adjetivo mais apropriado para definir essa gente obcecada, barulhenta, tagarela, indignada, insatisfeita e capaz de espancar o oponente para fazê-lo concordar com suas ideias fixas.

Há vários tipos de militantes. Todos chatos!
De punhos cerrados, eles marcham impávidos pelo mundo com uma única missão na vida: “converter” os outros às suas causas.
E nem adianta contestar. É pior.
Contestar o que brada um militante é como permitir que ele entre na sua casa e, contra a sua vontade, mude os móveis de lugar. Militantes não aceitam pensamentos divergentes.
Estão com a razão. Ponto.

Certa vez, cometi a bobagem de dizer para um militante da causa GLS que a Parada Gay de SP tinha virado nada mais que “carnaval fora de época”, onde um monte de gente errada se reúne apenas para expor o corpanzil sarado. Ouvi, durante cerca de uma hora, um discurso inflamado e aborrecido sobre a importância política do evento, blábláblá...

Dia desses, cometi outro erro. Falei para um eleitor da Marina Silva que achava o discurso da candidata do PV um tanto retardado e amador. Acrescentei que ela, com sua “onda verde”, era despreparada para comandar o Brasil. Quase fui socado!

Em minha santa ingenuidade, não me toquei que eleitores do PV são duas vezes militantes: na política e na questão ambiental.

Claro que apoio algumas das causas defendidas pelos militantes. 
Também sou contra a homofobia, o racismo, a segregação, o desflorestamento, a matança de baleias, os maus-tratos a animais.
Não suporto, porém, quem tenta me catequizar. Decidir por mim o que devo ou não fazer.

Como carne sim, me exercito se estou a fim, fumo porque gosto, sou ateu por opção, não acredito em milagres, sou a favor do aborto, não estou nem aí para o aquecimento global, assisto a novelas da Globo, vou anular o meu voto, não gosto de jiló, tenho medo da Dilma e me visto do jeito que eu quiser.

Na minha modesta opinião, cada um é livre para pensar o que bem entender e cada um que assuma as consequências dos seus atos. 

Aos militantes, bananas!

2 comentários:

  1. eu voto na marina mas concordo 100% com seu texto

    ResponderExcluir
  2. e eu concordo com o johann Heyss!
    Ass:Gisele.

    ResponderExcluir