quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Idade Média e casta

[Especial Pornografia - parte 4]

A Idade Média é também conhecida como “Idade das Trevas” e, historicamente, teve início com a queda do Império Romano e se estende até o florescimento da cultura renascentista, no final do século 14. Considerado por muitos um período obscurantista e decadente, a Idade Média é marcada pela intolerância. Por volta do século 6, clérigos católicos incluíram a luxúria entre os pecados capitais, alegando que os prazeres carnais afastavam o cristão da redenção espiritual. Aos tarados da época restava apenas ouvir os “contadores de histórias”, como eram conhecidos alguns andarilhos que se dedicavam a narrar causos picantes sobre mulheres insaciáveis, defloramento de virgens e orgias.

Como a oposição da Igreja às delícias do sexo não foi suficiente para esfriar os ânimos desinibidos dos fiéis, o poder católico institui a Inquisição – tribunal eclesiástico que tinha como objetivo investigar e punir crimes contra a fé cristã. Com o Santo Ofício em vigência, homens e mulheres só podiam ser retratados nas telas com túnicas largas e longas, e nem o menino Jesus deveria ser mostrado do jeito que veio ao mundo. Textos com teor pornográfico, nem pensar. Aqueles que desobedeciam a essas ordens eram condenados à fogueira ou ao exílio. Foi o que aconteceu com o escritor florentino Giovanni Boccaccio.

Ao lançar “Decameron” – obra com cem histórias narradas por sete mulheres e três homens reunidos numa casa isolada, onde contam peripécias sexuais com sátiras à Igreja – Boccaccio foi acusado de heresia e, embora tenha escapado da fogueira, teve de fugir e se isolar num vilarejo chamado Certaldo, onde morreu em 1.375. “Decameron” foi adaptado para o cinema pelo diretor italiano Pier Paolo Pasolini em 1970. Entre as “imorais” personagens das histórias narradas no livro de Boccaccio: freiras devassas que realizam “milagres sexuais”, uma esposa traiçoeira com habilidade para os negócios, um artista tuberculoso à beira da morte que tenta trapacear o Céu, jovens amantes apanhados com as calças nas mãos, um criado que perde a cabeça por amor e um simplório fazendeiro que tenta transformar sua esposa numa égua. Divertido e polêmico.

Por volta do século 15, já no período do Renascimento, com o afrouxamento do poder da Igreja Católica, alguns artistas aproveitaram para desnudar os personagens das suas telas. Quadro clássico da época, “O Nascimento de Vênus”, de autoria do florentino Sandro Botticelli, apresenta uma mulher nua e voluptuosa no centro da pintura. Os bons tempos da sacanagem pareciam ter retornado, mas a Reforma, no século 16, trouxe a censura de volta e, com ela, o lado mais carola e pudico do velho continente. 

[Especial Pornografia]
Parte 1 - A Invenção da Pornografia
Parte 2 - Sexo na Grécia Antiga
Parte 3 - Orgias Romanas
Parte 4 - Idade Média e Casta
Parte 5 - Os Libertinos
Parte 6 - A Nudez e a Fotografia
Parte 7 - Sexo em Movimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário