sexta-feira, 1 de outubro de 2010

A Igreja Católica "sai do armário"

Cardeal Tarcisio Bertone

Enfim, o Vaticano encontrou o culpado pelos casos de pedofilia praticados nos porões da Igreja Católica: a homossexualidade. Segundo o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado do Vaticano, “muitos psicólogos demonstraram que não há relação entre celibato e pedofilia, mas muitos outros demonstraram que há entre homossexualidade e pedofilia”. Lido nas entrelinhas, o que o cardeal pretendia com essa declaração é o seguinte: defender o celibato, um dos cânones católicos, e demonizar a homossexualidade, considerada “pecado” pelos clérigos.

Essa declaração infeliz do cardeal foi dada em abril deste ano e causou rebuliço.

Pois bem, senhor Bertone, se a homossexualidade leva a abusos de menores, que tal escarafunchar a vida secreta dos padres para descobrir quantos deles são homossexuais e expulsá-los do clero? Assim, acabariam os casos de pedofilia na Igreja Católica. Mas também não sobrariam muitos padres para rezar a missa das seis, não é mesmo?

É sabido que vários homossexuais reprimidos, que não aceitam de jeito nenhum sua orientação sexual, procuram refúgio no celibato clerical. Acreditam que, com a ajuda de Deus, podem se livrar do “desejo proibido” de querer ir para a cama com alguém do mesmo sexo. Ledo engano. O desejo continua ali, sob a túnica eclesiástica e as orações diárias – e pronto para se manifestar na primeira oportunidade que aparecer. E a oportunidade pode surgir na forma de meninos menores.

Claro que existem homossexuais pedófilos – dentro e fora da Igreja. Assim como existem heterossexuais pedófilos. Essa patologia não é exclusividade nem de um nem de outro. E nada tem a ver com a orientação sexual das pessoas. Ao relacionar homossexualidade com pedofilia, a Igreja Católica, através da insensatez do senhor Bertone, mostra mais uma vez sua principal tática quando está sob pressão: atacar para se defender. E um de seus alvos preferenciais é a comunidade gay. Por que será? Mea-culpa? Ou maneira de se penitenciar pelo desejo premente de “sair do armário”?

Em uma entrevista para o jornal britânico "The Observer", o cantor Elton John disse que “as religiões sempre tentaram atrair o ódio para os homossexuais”. Segundo ele, “as religiões não são misericordiosas”. Não sou muito fã do Elton John, mas concordo com ele e o respeito por falar abertamente sobre o mal que as religiões causam à humanidade. Ao defender ideias ultrapassadas e arbitrárias, a Igreja Católica tenta manter de pé uma instituição moralmente falida. Ser contra o uso de preservativos, por exemplo, além de estúpido, é escandalosamente prejudicial à saúde pública.

Para finalizar, uma pergunta que não quer calar. O senhor Bertone recorre ao suposto diagnóstico de psicólogos para advogar sua tese estapafúrdia. Por que os ignora quando esses mesmos psicólogos afirmam que a homossexualidade é uma variação normal da expressão sexual do ser humano? Vade-retro, satanás! 

Um comentário:

  1. Os religiosos tem problemas em aceitar a verdade d q hj em dia ninguém é santo e d q se tornou uma instituição falida.P não ver as verdades,preferem fechar os olhos...¬¬

    As pessoas se fecham num mundo diferente do real e acabam ficando presas pelas"lavagem cerebral"q a religião os faz.
    Religião Sempre Foi Sinônimo D Algemas...¬¬

    [achei esse blog por acaso e me identifiquei com as postagens,são mt interessantes,parabéns pelo blog]

    ResponderExcluir