quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Esse tal poliamor

Será?

“Num futuro próximo seremos mais livres para dar vazão aos nossos desejos e teremos plenas possibilidades de viver sem culpas. Talvez seja possível ter relações estáveis com várias pessoas ao mesmo tempo, escolhendo-as pelas afinidades. Quem sabe uma para ir ao cinema e teatro, outra para conversar, outra para viajar, uma parceria para o sexo, e assim por diante? A ideia de que um parceiro único deva satisfazer todos os aspectos da vida tem grandes chances de se tornar coisa do passado.”

Quem fala isso é a psicanalista Regina Navarro Lins, autora dos livros “A Cama na Rede – O que os brasileiros pensam sobre amor e sexo” e “Se Eu Fosse Você... – Uma reflexão sobre as experiências amorosas” (Editora Best Seller).

Regina é especializada em sexualidade e defende ideias que geram controvérsia até entre seus colegas de profissão. Veja o que ela diz sobre o amor romântico: “Está saindo de cena e levando com ele a sua principal característica: a exigência de exclusividade. Sem a ideia de encontrar alguém que te complete, abre-se um espaço para outros tipos de relacionamento, com a possibilidade de se amar mais de uma pessoa de cada vez, ou seja, o poliamor.”

Será mesmo? Será que um dia seremos capazes de aceitar na boa relacionamentos “abertos”, sem exclusividade?

Se a resposta para essa pergunta for sim, acho que os homossexuais masculinos estão um passo à frente nessa “revolução” comportamental. Explico. Homens não prestam! Sempre achei isso. Homens são infiéis por natureza. E homens homossexuais são ainda mais “safados” nesse sentido.

É comum casais gays procurarem um terceiro para uma transa a três. É comum casais gays aceitarem um a traição do outro em silêncio, sem quebrar pratos na parede. Numa relação homossexual masculina, o sexo é questão central, fundamental, essencial. Afeto e companheirismo, características mais valorizadas pelas mulheres, ficam em segundo plano. Talvez seja por isso que relacionamentos lésbicos durem mais. 

Homens pensam com a “cabeça de baixo”, dizem os especialistas. Homens homossexuais SÓ pensam com a “cabeça de baixo”. No mundo gay masculino, esse tal poliamor (ou putaria generalizada) já existe faz bastante tempo. Falta apenas oficializar a prática para eliminar de vez qualquer vestígio de culpa. 

**********

Leia entrevista com Regina Navarro Lins no UOL Estilo Comportamento.

7 comentários:

  1. Olha, eu não conseguiria aceitar um relacionamento aberto, mas acredito na teoria. É muito difícil se desvencilhar do desejo de ser "exclusiva", única.

    Também concordo que homens são infiéis por natureza, e esse tem sido um dos motivos pelos quais eu quase enlouqueço diante de qualquer pista de que posso ser traída. É foda. Será que eu me daria bem com uma mulher? Ainda tenho tempo pra descobrir, quando o "poliamor" se tornar comum.

    Beijos, Marcos! =****

    ResponderExcluir
  2. Discordo com o comentario que lesbicas duram mais, as lesbicas com todo respeito tem maior possessividade e quando acabam um relacionamento, mesmo traindo ou sendo traidas são mais frias e aceitam como normalidade tal ato.
    Nem sempre mulheres tem companherismo uma com a outra as vezes causando até competitividade no relacionamento

    ResponderExcluir
  3. Olha, acho bem preconceituoso esse seu post. Poliamor nada tem a ver com putaria generalizada. Procure se informar antes de postar tanta bobagem. Sua visão de um relacionamento homossexual é triste também, de tao ilusória. Se informe e se eduque, ao invés de cuspir esteriótipos por não ter conhecimento algum do tema

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aposto que é uma postagem masculina! E se acredita tanto no que diz por que não se identifica. Concordo plenamente, apesar de ser uma pessoa despida de julgamento, é sim um putaria generalizada por tras de teorias oportunistas!

      Excluir
  4. Infelizmente os relacionamentos homoafetivos não duram , porque gays simplesmente não conseguem viver com um só parceiro ,por isso os gays vivem sozinhos , enquanto jovens tudo é festa , quando envelhecem tem que se sujeitar a pagar por sexo e infelizmente acabam a vida sozinhos . Não acredito que existam gays fiéis a seus parceiro , e especialmente passivos , então porque lutar por casamento gay , se não conseguem viver com um só companheiro , somente para impor isto a sociedade ? Lutam por olgo que não respeitam , na minha opinião é estranho .

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente os relacionamentos homoafetivos não duram , porque gays simplesmente não conseguem viver com um só parceiro ,por isso os gays vivem sozinhos , enquanto jovens tudo é festa , quando envelhecem tem que se sujeitar a pagar por sexo e infelizmente acabam a vida sozinhos . Não acredito que existam gays fiéis a seus parceiro , e especialmente passivos , então porque lutar por casamento gay , se não conseguem viver com um só companheiro , somente para impor isto a sociedade ? Lutam por olgo que não respeitam , na minha opinião é estranho .

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente os relacionamentos homoafetivos não duram , porque gays simplesmente não conseguem viver com um só parceiro ,por isso os gays vivem sozinhos , enquanto jovens tudo é festa , quando envelhecem tem que se sujeitar a pagar por sexo e infelizmente acabam a vida sozinhos . Não acredito que existam gays fiéis a seus parceiro , e especialmente passivos , então porque lutar por casamento gay , se não conseguem viver com um só companheiro , somente para impor isto a sociedade ? Lutam por olgo que não respeitam , na minha opinião é estranho .

    ResponderExcluir