domingo, 21 de novembro de 2010

Na vida, nada é imperdível!

O vazio

Queria parabenizar o gênio do marketing que criou o título “1001 Lugares para Conhecer Antes de Morrer”. Acho que esse foi o primeiro livro da série. Depois, vieram outros: “1001 Discos para Ouvir”, “1001 Filmes para Ver”, “1001 Livros para Ler” e “1001 Comidas para Provar”. Todos seguidos pela apóstrofe “Antes de Morrer”.

O ser humano é estúpido por natureza. E acredito que foi baseado nessa característica nossa que o título foi escolhido.

Estúpidos porque mentimos para nós mesmos o tempo todo. Sem o autoengano, diz o economista Eduardo Giannetti, a vida seria extremamente dolorosa e desprovida de encanto. Por isso, fingimos acreditar nesse papo furado de “sonhos possíveis”.

Imagino a executiva autossuficiente entrando numa livraria. De repente, a mulher se depara com a obra que promete lhe indicar os 1001 lugares que ela precisa conhecer antes de morrer. Seus olhos brilham e, no mesmo instante, ela começa a sonhar. Folheia o livro e sua imaginação viaja pelo mundo.

Coitada. No fundo, no fundo, a executiva autossuficiente sabe que jamais conhecerá aqueles lugares. Mesmo assim, ela compra o livro. Chega a fazer planos. Mas logo perceberá que vai morrer sem ter ido muito longe, sem ter feito nada de muito extraordinário na vida.

Livros como “1001 Lugares” são truques editoriais. Cutucam o desejo humano de dar sentido à vida através de experiências supostamente “imperdíveis”. É como se a vida não tivesse valido a pena se a gente morre sem conhecer determinado lugar ou provar determinada comida ou ver determinado filme. Bobagem.

A maioria de nós passa pelo mundo sem deixar vestígios de nossa existência insignificante. Ter ido ou não a um dos 1001 lugares indicados pelo livro é mero detalhe na biografia de cada um. Nada é “imperdível”. Nem o show do Paul McCartney nem a reprise de "Vale Tudo". Muito pelo contrário. Quanto mais coisas ignoramos/perdemos/deixamos pra lá, mais nos concentramos naquilo que realmente nos interessa e nos faz feliz.

Se você tem vontade de visitar algum lugar, vá! Mas não vá porque alguém espalhou por aí que você precisa. Isso é conversa fiada. Bullshit! Vá porque você quer ir. Simples assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário