segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A orelha que necessita do brinco

Consumo

Leia o que escreveu Gonçalo M. Tavares: “O consumo, por mais que o repitam, não é invenção do capitalismo: os deuses formaram homens [e mulheres] incompletos, com estômago, frio e vaidade, como queriam outro resultado?”

Sim, somos seres incompletos. Por isso, transformamos os shoppings centers em “santuários” e consumimos “quinquilharias” com voracidade insaciável, em busca de uma completude que jamais alcançaremos.

Não se engane. Por mais “satisfeitos” que parecemos, sempre nos faltará algo: um cigarro, uma pitada a mais de sal, uma cueca, um par de seios maiores, um pênis mais robusto, um prato de comida, um abraço carinhoso, uma poltrona mais confortável, uma creme antirrugas, um cobertor, uma caixa de bombons, um amor verdadeiro...

Essa falta é o que nos mantém vivos – e nos faz matar/maltratar uns aos outros. Não fosse a necessidade permanente de preencher os vazios da nossa existência, não haveria sentido em permanecer no mundo.

E há muitos vazios a serem preenchidos: a orelha que necessita do brinco, o pé que necessita do sapato, a boca que necessita do batom, o estômago que necessita do alimento, o cérebro que necessita do conhecimento, a alma que necessita de respostas, o coração que necessita de alguém para ocupá-lo.

Não acho a incompletude humana uma falha. Sei que é foda lidar com nossos desejos nunca realizados de “vida plena”. Mas acredito que seria bem pior se todos fôssemos autossustentáveis e “perfeitos”.

Pense bem: se a gente viesse ao mundo sem esse determinante defeito de fabricação, não haveria insatisfação, inquietude, busca. E, sem busca, não há evolução.

Da boca pra fora, costumamos provocar os outros dizendo que nos garantimos sozinhos, que somos independentes. Pura falácia! Sempre existe algo quebrado dentro da gente aguardando conserto/socorro. Pode ser a compra de uma nova bolsa ou a companhia agradável de um amigo, não importa.

Consumir – seres ou coisas – é o que nos mantém minimamente equilibrados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário