quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Homossexuais não podem doar sangue!

Por que não?

Atendendo a pedidos das autoridades de saúde, que sempre reclamam do baixo estoque de sangue nos hospitais, pensei em doar meus “glóbulos vermelhos” neste 25 de novembro, Dia Nacional do Doador de Sangue.

Sou cidadão responsável, fraterno e preocupado com pacientes que necessitam de transfusões de sangue para sobreviver. Quero participar dessa ação solidária, “fazer minha parte”, acumular milhas para minha viagem derradeira ao “paraíso celestial”.

Quero, mas não posso.

Desde a década de 1980, os homossexuais – HOMENS QUE FAZEM SEXO COM HOMENS – são proibidos de doar sangue. Alegação: por serem mais numerosos nos dados de infecção pelo vírus HIV e mais vulneráveis à infecção, eles colocam em risco os receptores do sangue doado. A restrição não é exclusividade do Brasil. Quase todos os países agem da mesma forma.

Em 2009, o pesquisador canadense Mark A. Wainberg, um dos mais renomados estudiosos sobre AIDS no mundo, veio a público e afirmou o seguinte: “Diante do novo cenário, proibir totalmente os homens que fizeram sexo com homens de doar sangue é errado e em nada científico”.

Que “novo cenário” é esse? Eis a explicação de Wainberg, publicada em reportagem do portal G1.

A restrição foi necessária no início da epidemia, quando não havia controle do sangue doado. Com as tecnologias adquiridas (que permitem verificar com muito mais segurança se o sangue doado está contaminado ou não) e a evidência numérica de que os heterossexuais também podem contrair AIDS ou qualquer outra DST em caso de relação sexual desprotegida, a restrição de doação de sangue para homens que fizeram sexo com homens “perdeu o sentido”. Caso o homossexual tenha uma relação estável, a proibição fica ainda mais sem sentido, diante da hipótese de que um heterossexual pode ter uma atividade sexual mais promíscua.

É isso que pensa também Mário Scheffer, sanitarista e pós-doutor em medicina preventiva e estudioso da AIDS: “Não há nenhuma razão de ordem prática ou teórica que justifique hoje a proibição de qualquer pessoa de doar sangue. Isso passa o princípio de que para a pessoa ter AIDS ou hepatite C é preciso ter esta ou aquela orientação sexual e não um comportamento de risco, o que é totalmente errado. Um heterossexual promíscuo tem mais risco de transmitir AIDS do que um homossexual monogâmico. A proibição é um preconceito absoluto.”

Mesmo Wainberg sendo quem é, um cientista renomado, ninguém lhe deu ouvidos e a proibição continua em vigor.

Logo que foi detectada, na década de 1980, a AIDS foi chamada de “peste gay”. Hoje, sabemos que o vírus assombra a todos, independente da orientação sexual. Manter a restrição é forma de perpetuar o preconceito contra homossexuais e fazer valer a ideia torta de que a AIDS é uma doença exclusiva de gays.

Na lógica das autoridades de saúde, não importa se a pessoa se protege ou não em suas relações sexuais. Importa saber se ela é homossexual ou não. Se for, está automaticamente "eliminada", seu sangue é “impuro” e não presta para salvar vidas.

Se isso não é homofobia, me fale aí o que é? 

4 comentários:

  1. É mesmo um absurdo, e pauta importante para o tal movimento GLBTTABCDEFGHIJLMNOP...Z
    Preconceito, discriminação e uma maneira da sociedade heteronormativa colocar os gays "em seu devido lugar".
    Lamentável.

    ResponderExcluir
  2. Faço minhas as palavras de Giuliano, Lamentável. Eu sou um dos que apoiam a erradicação de mitos cientificos, mas assumo que não está sendo fácil. Apóiam-se na ciência quando convém, é o que eles fazem.

    ResponderExcluir
  3. Terrível tudo isto... aff

    O Ministro da Saúde falou que vai derrubar a norma que nos discrimina, mas é terrível. Que sociedade mais hipócrita!

    @jovem_militante

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente há indivíduos que querem politizar o sistema de doação de sangue no Brasil... Mesmo nos Estados Unidos onde há um processo muito superior em screening (teste) de sangue contaminado o órgão do governo FDA (food and drug administration) que regula tudo relacionado a saúde do povo Norte Americano vetou pra toda a vida (BANIU) a doação de sangue de gays por os considerarem um grupo de alto risco devido a promiscuidade elevadíssima dentre eles... Os gays ainda lideram com mais de 50% de todos os casos detectados de HIV nos EUA no ano 2012! Na região NORTE-NORDESTE do Brasil por exemplo, onde não há um controle a nível óptimo do banco sanguineo correríamos o risco de contaminarmos milhares de indivíduos anualmente com o eventual sangue gay contaminado. E isso não está restrito a estas duas regiões e poderia acontecer Brasil afora. (Quem pagaria os processos de erro médico? o SUS?) ou os grupos gays que pediram o fim da tal discriminação? É claro que seria o governo com os impostos coletados do povo Brasileiro!
    Por favor PAREM de politizar esta questão médica.. isso não tem nada haver com discriminação, isso tem haver com a saúde pública e com esta não podemos brincar ou sermos politicamente corretos para agradar a um grupo e jogar com a vida de outros.

    ResponderExcluir