segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Outra vez! Outra vez! Outra vez!

Até quando?

É um bufar exaurido. De quem sobe a ladeira fumando, quase renunciando ao “chegar lá”. Mas será que chegaremos? Fala-se aqui e ali. Explica-se milhares de vezes a mesma explicação. E nada muda. Ou pouca coisa muda. Ou muda muito lentamente.

É uma luta sem fim. Daqui a 50, 100 anos estaremos repetindo a mesma proposição: a homossexualidade é uma variação normal da sexualidade humana... E ainda haverá energúmenos acreditando que não passa de “sem-vergonhice”, “aberração”, “doença”.

Por isso, em mais uma tentativa de convencimento, aqui vão alguns textos que esclarecem, reportam, expressam o que é homofobia e porque a homofobia deve ser punida com 100 anos de reclusão.

➢ Estudante agredido na Av. Paulista pensou que fosse morrer – Fantástico, da TV Globo
➢ A homofobia só persiste porque somos todos passivos – Blog Subvertendo Convenções
➢ Violência contra homossexuais – Dráuzio Varella, na “Folha”, reproduzido no blog Conteúdo Livre
➢ Luiz Mott sobre ataques a gays: “Igrejas têm mãos sujas de sangue” – Terra Magazine
➢ Violência faz parte da vida de transexuais e travestis, diz pesquisador – Carta Capital
➢ Outro ataque de homofóbicos na Av. Paulista - O Globo

2 comentários:

  1. Ola, apareci no seu blog por conta do Exodus, e fiquei pq gosto dos seus textos.

    Quanto a questao da homofobia, qq tipo de violencia deve ser condenada, seja contra mulheres, gays, negros, nordestinos, homens, velhos, criancas, animais, etc.

    Acredito que, especialmente os gays, devem parar de pedir respeito pois isso é algo que se conquista, nao se pede. A parada gay nao ajuda, o comportamento promiscuo de alguns tambem nao, a transformacao caricata em mulher, pior ainda, o jeito "estranho" de falar, menos. Acredito que essas sao as referencias que a maioria tem dos gays.

    Eu, particularmente, me incomodo muito ao ver pessoas se "comendo" em publico, sejam gays ou nao, mas tenho que admitir que fico muito mais desconfortavel quando vejo gays, a primeira coisa que vem na cabeça é, o que eu digo se meu filho perguntar? (agradeco se houver uma boa resposta)

    Nao bastaria que, assim como casais heteros, dentro de 4 paredes façam o que lhes for conveniente, sem que isso precise ser exposto?

    Eu sou heterosexual, tenho varios preconceitos, admito, mas procuro sempre suprimi-los. Inclusive brinco que quanto mais gay tiver no mundo mais mulher sobra pra mim.

    Parabens pelo blog e por sua militancia séria.

    Espero poder criar meu filho com menos preconceitos que eu para que o mundo, no futuro, seja mais civilizado.

    Abracos.

    ResponderExcluir
  2. Olá, não sei se vai voltar a este post, mas tentarei explicar o que penso sobre o seu comentário.

    Entendo o seu ponto de vista. Dentro do próprio mundo gay há preconceito contra os afeminados, que acabaram se tornando a parte mais visível da militância homossexual. Mas, assim como entre heterossexuais, há, por exemplo, meninas estereotipadas como "galinhas" etc., no mundo gay é a mesma coisa. E precisamos saber conviver com as diferenças, porque elas sempre vão estar por aí e, às vezes, nos incomodar.

    Em relação à promiscuidade, ela existe tanto entre gays quanto entre héteros. A única diferença é que dois homens juntos chamam mais atenção devido ao preconceito.

    Quanto ao seu filho, acho que a verdade é sempre mais simples e eficaz.

    Obrigado por acessar o blog.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir