sábado, 26 de fevereiro de 2011

Quer causar? Abuse da barriga

Deixa a minha barriga em paz!

Ostentar uma bela e natural barriga é ato de contestação. É resistir ao cerco implacável dos magros. É combater o ódio daqueles que querem exterminar a coitada da barriga custe o que custar.

Quer provocar? Use barriga. Quer causar? Abuse da barriga. Quer escandalizar? Deixe a barriga bem à mostra.

Adriane Galisteu, a ex qualquer coisa, diminuiu ainda mais o volume da sua barriga com 400 disparos de laser. Veja só: a barriga é metralhada sem chance alguma de se defender e ninguém protesta. Ao contrário: aplaude, inveja, aperta o gatilho.

Xico Sá, o jornalista, tem razão: “Chegar aos 50 sem barriga é atestado de péssima biografia”. Em outras palavras: quem passa a vida evitando o bacon para evitar a barriga não vive, vegeta como pé de alface.

Universo em expansão, a barriga não quer implodir em abdominais. Quer existir. Quer folgar no sofá. Quer andar por aí sem medo de ser barriga e sem ser atacada com olhares de reprovação por neonazistas da “saúde total” e do “corpo perfeito”.

Acho que os homens deviam se orgulhar de suas barrigas. A barriga é a prova mais visível da “macheza” de não se acovardar diante dos avisos de perigo e, principalmente, da patrulha autoritária dos “embelezadores” do mundo.

Em tempos de barriga “tanquinho” e corpos anabolizados, quem é barrigudo já pode se sentir o novo punk.

Nenhum comentário:

Postar um comentário