sexta-feira, 25 de março de 2011

Aos inimigos, bananas!

O que se anuncia no mundo é luta

O João Acuio, lá no Saturnália, o melhor espaço sobre astrologia da net brasileira, anunciou que a Lua caminha por Sagitário. E acrescentou: “O que se anuncia no mundo é luta. Faça acontecer, lute e ocupe seu lugar agora”.

Ok, vamos à luta, então...

Mas, antes, precisamos identificar quem são nossos inimigos, aqueles que posam de “santos”, falam em “direitos humanos” e “amor ao próximo”, mas, no fundo, querem nos mandar para a câmara de gás.

Se você pensou nos religiosos, acertou. São esses crentes endemoniados – não todos, claro, mas a maioria, com certeza – que devemos combater, ridicularizar, mandar para a puta que os pariu!

Veja só o que disse o arcebispo Silvano Tomasi no conselho de Direitos Humanos da ONU: “Pessoas estão sendo atacadas por não estarem de acordo com o comportamento sexual entre pessoas do mesmo sexo. Quando elas expressam suas crenças morais ou sobre a natureza humana são estigmatizadas e, pior, são difamadas e julgadas”.

Peraí! É isso mesmo que entendi, seu Tomasi? Quer dizer que o Vaticano, o papa e seu rebanho de ignorantes homofóbicos podem nos atacar à vontade e, quando a gente revida, somos nós os intolerantes?

Tomate podre no Tomasi agora!

E os evangélicos? Ontem, no Twitter, fiquei sabendo de um pastor deputado federal chamado Marco Feliciano. Sobre os homossexuais, postou o seguinte: “Imagino o mundo às avessas que vivem. Não se encontram. Não conseguem definir seu sexo. São oprimidos, ignorados. Sinto pena”.

Dispensamos sua “pena”, pastor. Vivemos muito bem “sem Jesus no coração”. Trepamos bastante – de preferência com parceiros do mesmo sexo. E eu aposto que você sabe como é. Mas, como se sente culpado, fica aí de mimimi...

Entre no Twitter do cara (@marcofeliciano), repare no Avatar do cara. Como dizia a queridíssima Aracy de Almeida: “não resta a menor dúvida”.

Esses são os nossos principais inimigos: fanáticos religiosos que, sabe-se lá por qual motivo, sentem essa compulsão doentia de controlar as nossas vidas.

Em tempos de luta, como anunciou o João Acuio, sinto vontade de seguir o conselho do cineasta Bruce LaBruce: "Jogar na cara dos heterossexuais a vida homossexual". Ou seja: chega de sermos discretos com as nossas viadices. E as animárias incomodadas que vão pastar em outra paragem!  

Aos inimigos, bananas!

Um comentário: