terça-feira, 1 de março de 2011

Comer animais: sim ou não?

Frangos: na natureza, viveriam cerca de 15 anos

Pra gente pensar:

→ 80% das áreas desmatadas do país são ocupadas pela atividade pecuária.

→ A criação de animais emite mais gases de efeito estufa do que todo o setor de transportes.

→ A cada 18 segundos, um hectare de floresta amazônica é convertida em pasto.

→ O rebanho brasileiro que mais cresce está na região da Amazônia.

→ Galinhas poedeiras vivem numa área menor que uma folha de papel A4 cada. Os pintinhos machos que nascem nessa indústria são “destruídos” em maceradores porque não têm valor comercial.

→ 6 semanas é o tempo médio de vida de um frango de granja até seu abate. Na natureza, ele viveria cerca de 15 anos. Esse crescimento em tempo recorde é estimulado artificialmente.

→ Frangos de abate têm seus bicos cortados para não machucarem uns aos outros ou a si próprios, o que é comum no ambiente confinado das granjas.

→ 70% dos estoques pesqueiros comerciais estão ameaçados de extinção.

→ Leitões são castrados sem anestesia e vivem em cercados superpovoados para se locomoverem menos e, assim, engordarem mais e mais rápido.

→ 20 das 35 espécies de cavalo-marinho estão ameaçados de extinção porque são mortas “sem querer” por redes de pesca de arrastão.

→ Para cada quilo de camarão pescado em redes de arrastão, cerca de 20 quilos de outros animais marinhos são mortos “sem querer” e atirados de volta ao mar.

→ 15 mil litros de água são exigidos na produção de apenas um quilo de carne.

Dados publicados na “Folha” (28/02/2011)

2 comentários:

  1. Eu só preciso parar de comer peixe e camarão. O resto todo já parei.

    ResponderExcluir
  2. É... é por isso que nunca comi carne.

    ResponderExcluir