segunda-feira, 21 de março de 2011

De Rob Halford a Rick Martin

Rob Halford, vocalista do Judas Priest

Nunca dei muita bola para o Rick Martin. Mas, depois que ele assumiu a sua homossexualidade, passei a admirá-lo. Não deve ser moleza para um astro pop planetário, com milhares de meninas querendo “rasgá-lo” inteiro, vir a público e dizer que é gay.

“Sair do armário”, em casos assim, pode frustrar as fantasias sexuais de muitas garotas: “Ai, que desperdício... Um homem desses... gay!?”.

Fosse em outros tempos, acho que Rick Martin jamais “abriria o jogo”. Basta lembrar de Rock Hudson, o ator de Hollywood que nunca assumiu a sua homossexualidade. Mais: para manter a imagem de “galã comedor”, foi “obrigado” a se casar com Phlylis Gates, a sua secretária. Hudson morreu vítima da AIDS em 1985.

Evoluímos.

Ao receber o prêmio “Vito Russo”, dedicado a pessoas da indústria do entretenimento que são abertamente homossexuais, Rick Martin revelou que, após “dizer a verdade”, a sua conta no Twitter pulou de 500 mil para 1,8 milhão de seguidores. Parece bobagem. Não é.

Essa explosão de “followers” em seu Twitter mostra que o astro porto-riquenho passou a ser admirado não apenas por sua beleza ou por sua música, mas também por sua coragem em escancarar para a plateia quem ele realmente é.

Os tolos não entendem. Mas, cada vez que um astro da música, do cinema ou do esporte assume a sua homossexualidade, ajuda milhares de jovens gays a se sentirem menos sozinhos no mundo – e, de quebra, desconcerta os preconceituosos.

Um exemplo.

Fui metaleiro na adolescência (ninguém é perfeito!). E, para quem não sabe, a molecada que curte Metallica, Iron Maiden, Ozzy etc. é beeem machista e homofóbica.

Quando Rob Halford, o vocalista do Judas Priest, banda ícone do heavy metal, revelou que era gay, foi um deus-nos-acuda entre os cabeludos. Alguns amigos meus se revoltaram, ficaram putos com a "versão bicha" de Halford.

A revelação “bombástica” do vocalista, no entanto, não fez nenhum deles “abandonar” o Judas Priest. Na verdade, esses amigos acabaram numa tremenda “saia justa”: como continuar falando mal dos viados se o ídolo que eles tanto amavam era viado?

Póin...

Nenhum comentário:

Postar um comentário