quarta-feira, 13 de abril de 2011

O "Amor, Estranho Amor" da Xuxa

Em 1982, Xuxa participou do filme “Amor, Estranho Amor”, dirigido pelo cineasta Walter Hugo Khouri (1929-2003) e protagonizado por Tarcísio Meira e Vera Fischer. Em uma cena, a apresentadora, nua, aparece na cama com um menino de 12 anos.

Por achar que essa cena “mancharia” sua imagem erótico-angelical de “Rainha dos Baixinhos”, Xuxa interditou o lançamento do filme em vídeo. Fez um acordo com o produtor do longa, Aníbal Massaini. O acordo durou de 1992 até 2009. Nesse período, Massaini embolsou US$ 60 mil/ano para manter o filme fora de circulação. Ou mais de R$ 1 milhão.

O acordo expirou e, agora, Massaini e Xuxa disputam na Justiça os direitos de “Amor, Estranho Amor”. O produtor quer relançá-lo. Xuxa, mantê-lo censurado.

Xuxa na estreia de "Amor, Estranho Amor"
Veja o que pensa o crítico de cinema da “Folha”, Inácio Araújo, sobre o caso: “É absurda essa história de ir à Justiça interditar obras de arte ou trabalhos intelectuais, quer gostemos deles, quer não”. Concordo com Inácio.

Xuxa quer “apagar” o seu passado. Acho que Valter Pagliosa teria feito o mesmo se pudesse. Chefe de uma regional do IAP, Instituto Ambiental do Paraná, Pagliosa participou de um filme considerado erótico anos antes de assumir o cargo. A notícia veio à tona e o cara, por preconceito das autoridades, foi exonerado pelo governo do Estado.

Ambas histórias me lembram o título da peça teatral de Nelson Rodrigues: “Toda Nudez será Castigada”. Xuxa teve que desembolsar uma fortuna para manter “Amor, Estranho Amor” engavetado. Pagliosa perdeu o emprego. Os dois foram “castigados” pelo que fizeram no passado.

Assim é. Fez, tá feito. Não tem como voltar atrás, viu, Xuxa! Não é proibindo a exibição do filme que a sua nudez irá se desintegrar, sumir da sua biografia. A gente até tenta deletar episódios “vergonhosos” do passado. Quem nunca pagou mico ou fez cagada na vida que atire a primeira pedra! O problema é que o passado, embora “enterrado”, nunca está “bem morto”. E, por isso, pode ressurgir a qualquer momento para assombrar o nosso presente.

Mas será que, por causa disso, devemos tomar mais cuidado com o que a gente faz? Questão difícil, né? Como a Xuxa, quando topou fazer o filme, podia imaginar que, anos depois, se transformaria na mais famosa apresentadora de programa infantil da TV brasileira? Pior: virou “Rainha dos Baixinhos” depois de – na ficção, claro – ir para a cama com um “baixinho” de 12 anos. Isso que é pegadinha do destino.

Não vejo nada de escandaloso no passado de Xuxa e Pagliosa. Mas é melhor ficar ligado. Como se vê, o que você faz hoje pode te "condenar" lá na frente.

3 comentários:

  1. Nossa, ainda bem que não sou famoso, porque já fiz umas coisinhas em tv e na música que... deixa quieto. Queimei todas as provas, espero que ninguém tenha guardado nenhuma.

    ResponderExcluir
  2. esse Aníbal Massaine é um idiota, sabe que ela trabalha para crianças e adolecentes e quer lançar esse filme, esse povinho brasileiro da vergonha nem pensam nas crianças ,que ja estão cada dias mais sem Educaçaõ, e eles tendem a apressar a falta de educação delas , a xuxa mesmo não esta errada pois fez esse filme antes de seu estrondoso sucesso.

    ResponderExcluir
  3. A Xuxa, é iluminada. Devemos condená-la, por que ela fez na época , uma atividade profissional? Claro que Não!!!!

    ResponderExcluir