sábado, 9 de abril de 2011

Que fim levou Mayara?

Educação

A estudante de direito, Mayara Petruso, causou barulho no Twitter (e fora dele) depois de publicar comentários racistas em que culpava os nordestinos pela vitória de Dilma Rousseff nas eleições presidenciais.

Que fim levou Mayara, ninguém sabe.

Hoje, qualquer manifestação reacionária nas redes sociais causa reação imediata. É bateu, levou. Avançamos. A questão é: só “expulsar” os fascistas da internet, como aconteceu com a estudante, é suficiente? Penso que não.

Deleta-se o perfil no Twitter, no Facebook, no Orkut, e temos a sensação de que aquela pessoa se desintegrou, deixou de existir. Não é bem assim. Na “vida real”, os fascistas vão continuar pregando o seu ódio.

É preciso confrontá-los, sim. Em qualquer local. Mas é preciso lembrar que não basta fazê-los “desaparecer” do ambiente virtual e o problema está resolvido. Longe disso.

Por trás de cada mensagem homofóbica, racista ou misógina, existe alguém de carne e osso, com RG e CPF. É esse “alguém” que deve ser combatido pra valer, não apenas o seu Avatar, a sua versão on-line. E esse combate só será vencido quando o Brasil tomar vergonha na cara e começar a priorizar a educação básica e fundamental.

Li em algum lugar: “O grande segredo da educação pública de hoje é sua incapacidade de distinguir conhecimento e sabedoria. Forma a mente e despreza o caráter e o coração. As consequências são essas que se vê.”

Mais amor, por favor!

Um comentário:

  1. Concordo!
    Gostei da frase do fim do post também!
    Tô contigo, quero mais amor ;)

    Beijos, Marcos! Bom fds!
    Isa

    ResponderExcluir