quinta-feira, 30 de junho de 2011

Sociedade podre. Políticos idem

Jair Bolsonaro: livre, leve e solto

A absolvição do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), acusado de quebra de decoro parlamentar (traduzindo: mostrou a bunda cabeluda e fedida para negros e LGBTTs), não devia surpreender nem indignar ninguém. A classe política brasileira é podre. Pior: é o retrato cuspido e escarrado da sociedade podre que elege os mesmos canalhas de sempre a cada nova eleição.

Sim: há uma pequena parcela de brasileiros aguerridos que luta por mudanças sociais, comportamentais, políticas. Quer um país mais livre e civilizado. Mas não se iluda: a imensa maioria é formada por gente tosca, retardada, bege, inoperante, preconceituosa e conformada. E são esses brasileiros que, de fato, mandam no Brasil ao elegerem essa laia que faz turismo em Brasília.

Às vezes, chego até a acreditar que o Brasil está avançando. De tanto frequentar o Twitter e o Facebook, e acompanhar as manifestações dos “ofendidos”, acho que vamos bem, obrigado; que estamos chutando o traseiro dos coronéis da Tradicional Família Brasileira. Sinto avisar: fora o STF, que vem dando aula de cidadania, o resto continua lamentável.

Ou não é lamentável ver o Tiririca na TV, em propaganda do PR, explicando o nepotismo como se estivesse no picadeiro do Programa do Ratinho?

A bem da verdade, se política, no Brasil, fosse assunto sério, o palhaço nem teria sido eleito deputado federal com mais de 1 milhão de votos; José Sarney não seria presidente do Senado; e o ogro Jair Bolsonaro não escaparia de uma punição no Conselho de Ética.

Existe uma simetria entre as ideias atrasadas de grande parte da sociedade brasileira e a defesa dessas mesmas ideias pelos políticos que a representam. Exemplo: se a cambada evangélica do Congresso legisla com a Bíblia debaixo do braço é porque, do lado de cá do balcão de negócios, há outra cambada evangélica os apoiando. Simples assim.

Sociedade podre, políticos idem.

Para mudar lá, antes precisamos mudar cá. Reconhecer que, como povo, ainda estamos mais próximos de Uganda que da Dinamarca, o primeiro país a legitimar o casamento gay, em 1989. Enquanto isso, no Brasil livre, leve e solto do Bolsonaro, incitação ao ódio nada mais é que liberdade de expressão.

4 comentários:

  1. Boslonaro e Myrian Rios devem estar comemorando!
    E vcs viram o filho do Bolsonaro que fez um twitter mandando a "viadada" engolir essa do pai ter sido absolvido?

    ResponderExcluir
  2. Na verdade ele não escreveu engulir e sim "chupar".
    segue parte da reportagem para quem não leu ainda

    Filho de Bolsonaro sobre "chupa, viadada": Não fui ofensivo
    Portal TerraAna Cláudia Barros
    Tamanho do Texto:+A-AImprimir
    Publicidade

    O vereador Carlos Bolsonaro (PP-RJ) não considerou ofensivas as mensagens postadas na sua página do Twitter em comemoração ao arquivamento das representações contra o pai, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), por quebra de decoro parlamentar. Ele explicou a Terra Magazine que o "CHuUuuupa Viadada" foi apenas uma forma de "demonstrar sua satisfação diante da derrota do opositor".

    ResponderExcluir
  3. Marcus
    E ele não considerou ofensivo o sofisticado coment que ele postou no twitter.
    Qual será o critério dele para "ofensivo"?

    ResponderExcluir