sexta-feira, 8 de julho de 2011

Claphan Junction e a violência homofóbica

Na Inglaterra, a primeira lei que punia a sodomia, sobretudo em relações homossexuais, surgiu em 1533, através de um código chamado “Buggery Act”, durante o reinado de Henrique VIII. A pena prevista para quem infligisse a lei era o enforcamento; e a última execução ocorreu em 1836.

Passaram-se impressionantes 434 anos de obscurantismo até o parlamento inglês revogar essa lei. Foi só em 1967 que a homossexualidade deixou de ser crime no país.

Em 2007, para celebrar o 40o aniversário do fim do código “Buggery Act”, a rede de televisão britânica Channel 4 preparou uma série de filmes e programas com temática gay. Assisti, numa dessas noites frias e aconchegantes, a um dos filmes: “Clapham Junction”, dirigido por Adrian Shergold e escrito pelo dramaturgo Kevin Elyot.

Clapham Junction é o nome de uma estação de metrô situada na região sul de Londres. E, ao que parece, local de pegação gay. O filme apresenta 36 horas na vida de vários personagens que, em determinados momentos da história, acabam se encontrando.

Não há inocentes em “Clapham Junction”. Se, por um lado, o filme escancara a violência homofóbica; do outro apresenta o universo homossexual masculino sem nenhum romantismo. Há o adolescente que, numa inversão de papéis, seduz o pedófilo; o homossexual enrustido de meia-idade que leva vida dupla, caçando sexo no banheiro público; o gay psicopata que espanca outros gays por não aceitar a sua condição; o cafajeste que, ainda durante a festa do seu casamento, trai o parceiro com um garçom.

Assim é: gays ou não, somos todos seres falhos.

Ao ver o filme e pensar que, desde 1967, a homossexualidade é legalizada na Inglaterra, conclui-se que não basta a lei permitir que dois homens ou duas mulheres se relacionem sexualmente. É necessário que a sociedade mude e evolua junto com as leis. E não apenas a sociedade britânica.

No Brasil, ser homossexual também não é crime, e o STF legitimou a união homoafetiva. Penso, porém, que enquanto a grande maioria dos brasileiros permanecer na ignorância, os ataques homofóbicos vão continuar – independentemente da Justiça. Pela lei, temos o direito de existir. Mas será que o seu vizinho concorda com essa lei e a respeita?

“Clapham Junction” mostra que os gays ingleses continuam sendo perseguidos. Muitas vezes, com extrema violência. E isso mais de 40 anos depois de a homossexualidade deixar de ser crime por lá.

Se a sociedade não quer evoluir por bem, que evolua então na marra, sob punição pesada. É por isso que a lei que criminaliza a homofobia deve ser aprovada com urgência no Brasil. Só assim os intolerantes pensarão duas vezes antes de vomitar o seu ódio fedido e medieval contra os LGBTTs e, quem sabe, evoluam. 

2 comentários:

  1. MArcos



    Atos homossexuais já foram considerados crime no Brasil?
    Alguma vez houve alguma legislação sobre isso,como na Inglaterra e em alguns estados dos EUA?

    ResponderExcluir
  2. Claudia, no Brasil, a homossexualidade só deixou de ser legalmente condenada em 1830, com o Código Penal Imperial. Mesmo assim, havia brechas para que a polícia prendesse homossexuais, sob acusações de indecência, vadiagem, atentado ao pudor ou travestismo.

    ResponderExcluir