quarta-feira, 27 de julho de 2011

a miss simpatia

eis uma verdade incontestável: não sou simpático.

meus poucos amigos me aconselham a sorrir mais, conversar mais, me aproximar das pessoas. Faço exatamente o contrário. Fujo das pessoas como a crente que foge da minissaia. Pra ser honesto, como a crente, eu até queria vestir a minissaia. Mas minha natureza não permite – nem minhas pernas gordas e cabeludas. Descobri cedo que não vim ao mundo para agradar. Fazer o quê?

esse meu jeito casca-grossa não é nenhum mérito. Na verdade, só me fode. Acabo perdendo oportunidades profissionais por não saber dar tapinhas nas costas, bajular, fazer gracinha, fingir interesse.

conheço gente que ganharia fácil fácil a faixa de Miss Simpatia. Gente que está sempre feliz, sorridente e de bem com a vida. Gente que chega e já conquista o afago de todos. Gente que eu demoro cinco meses, duas semanas e dez dias para confiar.

sei lá, acho o seguinte: 

quem sorri demais, finge demais – ou é um completo 
idiota. Os simpáticos são assim. Fazem o diabo para agradar a todos, sem distinção. E gente dessa laia me assusta.

agora, pense no concurso de miss. O evento caducou e ninguém mais o leva a sério. Sim, houve um tempo, lá na metade do século 20, que as misses eram prestigiadas, desejadas, inconfundíveis. Martha Rocha, quando participou do Miss Universo de 1954, chegou a desfilar em carro aberto pelas ruas de Long Beach, na Califórnia. Por duas polegadas a mais no quadril, Martha ficou em segundo lugar. Mesmo assim, ao voltar para o Brasil, foi recebida até pelo presidente da República.

hoje, pior que participar de concurso de miss, é participar, não vencer e, ainda por cima, ser eleita Miss Simpatia. Porra, nenhuma menina merece passar por esse vexame! Ser a mais simpática num concurso que elege a mais bonita não consola, desola, acaba com a autoestima de qualquer garota. Para evitar suicídios, deviam extinguir essa premiação.

cá fora, acontece o contrário. Todos parecem desejar a faixa de Miss Simpatia, ser aceito no grupo, receber milhares de “curtir” no Facebook. Mas existe algo mais cafona do que ser agradável? Repare: quem é agradável normalmente tem cara de bolacha.

eu prefiro os feios, sujos e malvados. Pelos menos são mais divertidose autênticos.

6 comentários:

  1. Eu me identifico com o seu ponto de vista, Marcos. Só que ser um pouco, só um pouco mais flexível, é questão de sobrevivência, como você mesmo disse. Mas cada um sabe onde o calo aperta, né? E se o calo é uma joanete, uma frieira ou apenas um sapato com um número a menos. Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Felicidade prêt-à-porter, usada como um pretinho básico para toda e qualquer ocasião, isso sim é uma tristeza.

    ResponderExcluir
  3. KKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    vou começar a reparar nas caras de bolachas alheias! S'me lembrei de um professor da faculdade: o apelido dele é TRAKINAS, por causa da cara da bolacha! hahahahaahhaah!

    como sempre, arrasou guinoza-san!

    ResponderExcluir
  4. "quem sorri demais, finge demais – ou é um completo idiota. Os simpáticos são assim. Fazem o diabo para agradar a todos, sem distinção. E gente dessa laia me assusta." e o preconceito não está apenas nos templos, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  5. Concordo em termos(rs).
    Quanto a Mis Simpatia é o fim mesmo.
    É mesmo que dizer:
    ´"O pra mais bonita vc não serve mas é yão alegrinha..."
    Quanto a simpatia tem pessoas que são genuínamente simpáticas.
    Não fazem isso para agradar.É delas.
    TEm os falsos simpáticos,que deve ser o que tu referes no texto.
    Tem uma família que conheço que vive sorrindo.
    Mãe e dois filhos.
    São assim desde que os conheço.
    É engraçado de vê-los todos sempre sorrindo.
    É natural para algumas pessoas.

    ResponderExcluir
  6. Você deveria conhecer mais pessoas simpáticas. Os que você conhece não são verdadeiros. São falsos.
    Eu posso dizer que sou simpática e faço isso porque me sinto feliz em deixar alguém feliz. Sem mais intenções escondidas. Pois faço isso sem destinção: aos pequenos e aos grandes. Se o que me deixa feliz é ver o outro feliz, não vejo porque ter medo de um ser assim. E eu sei que existem muuuuitos como eu por ai. Dê uma chance aos simpáticos.

    ResponderExcluir