sexta-feira, 22 de julho de 2011

"a Serbian Film" é pornô pastelão

Não convide a sua avó para assistir “A Serbian Film – Terror Sem Limites”. Ela corre sério risco de desfalecer no meio da sessão. Pensando bem, acho melhor não chamar nem a sua mãe. O longa do estreante Srdjan Spasojevic é, de fato, repugnante. Por isso, causou tanto nhenhenhém mundo afora.

No Reino Unido, só foi liberado para exibição após 49 cortes; na Noruega, foi vetado; na Espanha, rendeu processo ao diretor do festival que o apresentou. No Brasil, a Caixa Econômica Federal proibiu a exibição do filme no RioFan, festival de cinema fantástico.

Antes de prosseguir, penso o seguinte: cabe ao público, e somente ao público, decidir se quer ou não assistir à obra. Aos censores: parem de nos tratar como crianças; deixem a gente escolher o que é melhor para nós!

Agora, vamos ao filme.

É bem fácil detestar “A Serbian Film”. O longa tem incesto, pedofilia, necrofilia e violência extra extra extra large. Grande também é o pênis (de borracha) do personagem principal: um ex-ator pornô falido que, em troca de uma pequena fortuna, aceita protagonizar um filme pornográfico com pretensões artísticas. Ao perceber a fria em que se meteu, ele tenta cair fora, mas é drogado e forçado a cometer as mais bárbaras perversões sexuais.

Spasojevic, o diretor, defende-se das acusações de sensacionalismo. Afirma que o seu filme é político e tem a intenção de mostrar a crise moral que se abateu sobre a Sérvia depois da sangrenta guerra enfrentada pelo país na década de 1990. Diz que as suas lembranças de infância não o inspiram a fazer nada bonito.

Ok, nenhum filme, para ser bom, precisa ser bonito. Mas “A Serbian Film” é bom?

Eu achei besta; mal dirigido e muito mal interpretado. O seu momento mais “chocante” é o estupro de um recém-nascido. E, se entendi bem, o recém-nascido representaria a Sérvia violentada pelo horror da guerra. É isso, Spasojevic? Oh, quanta crueldade!

De resto, há várias cenas de pornô pastelão que, em vez de escandalizar, fazem bocejar. Que tal essa: o sujeito arranca todos os dentes da mulher, enfia o pau (de borracha) em sua boca, tapa o nariz dela com uma das mãos e, por fim, deixa a fulana morrer asfixiada.

Coitada da sérvia. E da Sérvia. Eu chorei... de rir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário