sábado, 10 de setembro de 2011

enquanto homens masturbam-se no cinema

faz alguns anos, alguém levou o meu “Cinema Orly” emprestado. E o livro nunca mais retornou à minha estante. Tal sumiço era até previsível. Relato radical do que acontece no escurinho das salas de exibição de filmes pornôs, “Cinema Orly” é daqueles livros que incendeiam o leitor. Desde, claro, que o leitor esteja preparado para mergulhar de corpo inteiro no submundo das orgias sexuais masculinas.

lembrei do meu exemplar desaparecido após ler reportagem em “O Globo” sobre a dúvida de Ney Matogrosso em incluir ou não uma canção do Luís Capucho em seu novo disco. O músico e poeta Luís Capucho é o autor de “Cinema Orly”.

a canção se chama “Cinema Íris”. E o que preocupa Ney é o seguinte trecho: “enquanto homens masturbam-se na neblina do cinema”. Segundo o cantor, “os brasileiros estão muito caretas” e ele não pretende surtar os ouvidos mais recatados. Ah, Ney, fala sério!

se “os brasileiros estão muito caretas”, o problema é dos brasileiros. E surpreende essa hesitação vinda de um dos artistas mais ousados e corajosos da MPB. Ney surgiu no Secos & Molhados exalando sexualidade, e continuou assim nos anos seguintes, em carreira solo. Sua imagem libertadora não permite a autocensura.

ou permite? Ou o público brasileiro pode boicotar o novo disco do Ney porque tem uma canção que fala sobre punhetas no cinema?

a gente sabe que esse tal público brasileiro anda se escandalizando à toa e, em defesa da “moral e dos bons costumes”, tem até espancado homossexuais na Paulista. Mas, se é verdade o que diz Ney sobre a caretice dos brasileiros, então não é hora de recuar. Muito pelo contrário. A hora é de provocar, de reagir, de atirar “bombas de glitter” na cabeça de malafaias, bolsonaros e apolinários.

baixar a guarda para esses patrulhadores do gozo alheio é aceitar o desaforo sem revide, sem esculhambar com o "respeitável público". Quero ouvir “Cinema Íris” na voz do Ney. E quero meu exemplar de “Cinema Orly” de volta. Se é que o livro já não foi queimado na fogueira da intolerância.

pensando bem, se até o Ney Matogrosso está assustadiço com a reação das beatas, a situação pode estar mais barra pesada do que a gente imagina. Será que estamos nos rendendo à gritaria dos ofendidos?   

5 comentários:

  1. legal, Marcos, vou compartilhar, ta bom?
    Espero que te devolvam o Cinema Orly...rs.

    ResponderExcluir
  2. oi Marcos eu tbm emprestei o meu exemplar e não Me devolveram... deve ser a sina do Cine Orly . Adorei seu texto!

    ResponderExcluir
  3. Não aceito me render. No dia em que as pessoas entenderem que o fato de elas se masturbarem é equivalente à verdade disso, nem mais nem menos sêmen vai jorrar no mundo, ou será que alguém ainda "se poupa"? afff... por que diabos "dizer" ainda é complicado, mesmo em se tratando de algo que se faz? que chatice...... http://soymanjerona.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. nao conhecia o livro, sera que acho p ler ou comprar? apesar do post ser de 2011 os argumentos ainda sao muito atuais! legal!

    ResponderExcluir
  5. nao conhecia o livro, sera que acho p ler ou comprar? apesar do post ser de 2011 os argumentos ainda sao muito atuais! legal!

    ResponderExcluir