domingo, 2 de outubro de 2011

mexeu com você, mexeu comigo

wanessa, a ex-Camargo, é filha do Zezé, da dupla sertaneja Zezé Di Camargo & Luciano, e mulher do empresário Marcus Buaiz, sócio do ex-jogador Ronaldo, que é amigo íntimo do Marco Luque, que apresenta o “CQC” ao lado do Marcelo Tas e do Rafinha Bastos.

ao fazer comentário grosseiro sobre Wanessa, que está grávida, Rafinha irritou essa patota toda. E, agora, corre sério risco de ser afastado do programa pela direção da Band.

e daí? – pergunta o raro leitor deste blog.

e daí que eu estou pouco me lixando para o que vai acontecer com Rafinha. Falou merda, aguente as consequências. Mas estranhei um pouco as reações do Ronaldo e do Marco Luque. O ex-jogador sempre prestigia o humorístico e Luque sempre ri das piadas do parceiro de bancada. Mas bastou Rafinha fazer chacota com a Wanessa, mulher do seu sócio, e Ronaldo se enfezou. E bastou Ronaldo se enfezar para Luque apoiá-lo.

Rafinha Bastos
é aquela história: ser grosseiro com os outros pode, Ronaldo e Marco Luque acham graça e caem na gargalhada. Mas foi só Rafinha mexer com um membro da patota e ambos ficaram emburradinhos.

esse episódio televisivo sem nenhuma importância pelo menos serve para exemplificar como costumamos reagir à ofensa: sempre com hipocrisia. Se o ofendido é um amigo ou familiar, usamos o velho bordão da Márcia Goldsmith para defendê-los: “Mexeu com você, mexeu comigo”. Mas se o agredido for um desconhecido, dane-se!

percebo isso nas pessoas que não entendem a indignação dos homossexuais quando são desrespeitados. Como nunca sofreram discriminação ou têm algum amigo ou familiar nessa situação, essas pessoas tendem a achar que os gays exageram em sua luta por direitos iguais. Queria ver se retirassem delas o direito de serem o que são se pensariam da mesma maneira?

é fácil se sentir ofendido quando o ofendido é você ou alguém da sua patota. Difícil é se colocar no lugar do outro que você nem conhece.

por que Ronaldo e Marco Luque não se manifestaram quando Rafinha zoou com a apresentadora Daniela Albuquerque, mulher do dono da RedeTV!?

6 comentários:

  1. Mas é bem isso mesmo.

    Tem um programa de TV aqui chamado "30 days". É sobre pessoas com preconceitos que vão viver 30 dias na situação de outra pessoa. Tipo, o cara contra imigração ilegal vive 30 dias sem documentos, como um ilegal. Aí teve um cara homofóbico que foi viver em São Francisco no bairro mais gay de lá. E depois dos 30 dias, o cara estava completamente mudado.

    Seu texto ótimo, como sempre. Tem muita lucidez nessa cabecinha sua.

    ResponderExcluir
  2. Sbaile...
    Precisamos sempre nos ver no outro para sentir na pele as dificuldades alheias. Bj.

    ResponderExcluir
  3. já assisti este programa ai que a Miss Sbaile disse... precisaríamos disto em doses cavalares por aqui, e nao sei se adiantaria nao...

    ResponderExcluir
  4. Karina...
    Tb acho q não adiantaria. Bj.

    ResponderExcluir
  5. Verdade, Marcos.

    Há duas semanas atrás presenciei uma discussão no FB onde uma idiota dizia que os homossexuais já estão se tornando chatos, se fazendo de coitadinhos todo tempo. Fiquei com tanto ódio disso. E olha que a individua em questão tem vários amigos gays e me sai com uma dessas. Mas enfim, me calei porque acredito que discussão em redes sociais é meio perda de tempo.

    Seu blog é minha leitura de cabeceira. :)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Phernando...
    um leitor postou um comentário aqui dizendo que eu me faço de "gay incompreendido" e que "os gays querem obrigar todos a serem gays". É uma forma de inverter os papéis, como se os gays é que estivessem perseguindo os héteros. Lamentável.
    obrigado por acompanhar o blog. Abs.

    ResponderExcluir