domingo, 20 de novembro de 2011

The Help

fiquei um período off. Postei meu último texto em 11 de novembro. De tempos em tempos, faço isso: desligo os aparelhos, sumo da internet, vou ver o que está acontecendo lá fora. 

não viajei pra lugar nenhum. Apenas fui ali abraçar uns amigos, tomar água de coco e caminhar à toa pela cidade. Também trabalhei feito burro de carga. Mas não se preocupe: continuo pobre. 

hoje, resolvi voltar pra falar sobre um filme que assisti ontem: “The Help”. Em português, “Histórias Cruzadas”. Parece que o longa dirigido por Tate Taylor corre sério risco de concorrer ao Oscar 2012. 

sim, “The Help” é convencional. Um dramalhão com cara de Oscar e história manjada: a intolerância racial no Mississipi da década de 1950.

Cena de "The Help
apesar disso, gosto de assistir a produções que abordam o preconceito. E “The Help” mostra a relação conflituosa entre patroas brancas e suas empregadas domésticas negras. É filme tipo “lição de vida”, pra fazer chorar e com “moral da história” no final. 

confesso: continuo sem entender o que faz um ser humano desprezar, humilhar, maltratar outro ser humano apenas porque um é branco e o outro é negro. Ou porque um é hétero e o outro é gay. Ou porque um é homem e o outro é mulher. Ou porque um é rico e o outro é pobre. 

no filme, as empregadas domésticas negras podem cuidar, beijar, abraçar, alimentar, educar os filhos das madames. Mas são proibidas de usar o mesmo banheiro que os donos da casa. Pergunta: que porra de lógica é essa? 

no filme, as madames realizam jantares chiques beneficentes para ajudar as crianças esfomeadas da África. Mas tratam suas empregadas domésticas negras como subespécie. Pergunta: que porra de lógica é essa?

aí, lembrei que é assim mesmo. No Brasil, por exemplo, prédios com nomes em francês costumam ter elevador social (para moradores) e elevador de serviço (para empregados). Se isso não é segregação, o que é? 

e há aqueles que estão muito muito muito preocupados com a situação africana, enquanto fazem o diabo para manter os mendigos bem longe da rua onde moram. Ou seja, fazem o bem só quando lhes convêm.

"The Help" vale por isso. Pra gente refletir sobre a estupidez humana.

2 comentários:

  1. marcossss, li o livro e te empresto se voce quiser... preciso te perguntar algo:

    (SPOILER: se nao quiser saber do livro/filme nao leia a seguir)

    A CHATA REALMENTE COME O TAL BOLO LA???? O_O

    ResponderExcluir