sábado, 17 de dezembro de 2011

o meu, o seu, o nosso horror

se você aprecia um bife acebolado ou um frango assado ou um peixe grelhado está proibido de se horrorizar ao ver o vídeo que mostra uma mulher com visível instinto assassino maltratar, espancar e matar um inocente cão Yorkshire.

afinal, bois, vacas, frangos, perus e outros tantos animais sofrem barbaridades antes de chegar à sua mesa.

entendeu a lógica? 

ou você é a favor de todos os animais, sem distinção, e se torna um vegetariano fundamentalista, capaz de explodir o mundo para defender um rato de laboratório, ou é um filho da puta insensível e sem coração. Simples assim.

pelo menos foi isso que entendi depois de ler alguns comentários sobre o caso da infeliz de Goiás. Vegetarianos colocando em dúvida o horror sentido por algumas pessoas porque essas mesmas pessoas comem carne.

é como se o horror deles – os vegetarianos – fosse mais legítimo que o horror dos outros. É como se só eles tivessem o direito de se chocar com cenas assim. Os carnívoros não. Os carnívoros são hipócritas. Ficam estarrecidos com o cão que é espancado, ao mesmo tempo em que se deliciam com seu bife acebolado. 

olha, respeito demais quem decide parar de comer carne. Tenhos vários amigos vegetarianos. Mas não admito que ninguém venha com seu radicalismo me dizer o que é certo ou errado, se eu posso ou não me horrorizar com isso ou aquilo.

talvez eu ainda não tenha atingido o grau de desenvolvimento dos vegetarianos. Mas, dentro do possível, procuro estar do lado dos animais. E, apesar de comer e gostar de comer carne, fiquei revoltadíssimo com a infeliz que matou o Yorkshire.

é hipocrisia? Não sei. Só sei que meu estágio de civilidade, por enquanto, é esse.  

5 comentários:

  1. Você colocou uma questão delicada.

    Pode parecer hipocrisia, sim, comer carne e, ao mesmo tempo, condenar uma louca que matou o yorkshire.

    Só que comer carne é uma questão cultural.

    Tá certo que os animais, até chegarem em nossa mesa, passam por processos brutais. E a gente "aceita".

    Não sei, nunca tentei ser vegetariana e não tenho a menor vontade. Também não vou me privar de nutrientes, ou tentar comer algo que os substitua, até porque eu acho que as proteínas da carne são insubstituíveis.

    Mas é claro que vou achar um absurdo o que fizeram com esse cachorro. Tô no mesmo estágio de civilidade que você, Marcos ;)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. ai, olha, preguiça-master de todos os radicais! e ódio mortal da coisa (me recuso a aceitar que ela é pessoa) que matou o cachorro dela como foi. Nao vi o vídeo, nao leio sobre o assunto. Outro dia vomitei só de saber de uma estória bem menos pior...

    ótimo texto marcos...

    ResponderExcluir
  3. impressionante o quanto os radicais na conduta costumam ser também radicais no julgamento. e ali, engessados em seu modelo e baforando suas teorias, ficam mais preocupados em enfiar o dedo na cara do que em refletir (mesmo!) sobre os fatos. ai, que desperdício de energia, marcos...
    excelente texto.
    excelente blog ponto.
    beijo
    iza

    ResponderExcluir
  4. Eu me recusei a ver o vídeo!
    E sou contra maus tratos em geral!
    Covardia em geral!
    Não sou vegetariana.
    O que uma coisa tem haver com outra?
    Coitado do alface! É arrancado da terra e morto!
    O trigo é ceifado! Toda a plantação é destruída!
    Quanta devastação para um vegetariano comer!
    Odeio hipocrisia!

    Palmas ao seu texto!

    ResponderExcluir
  5. Maltrato a qualquer tipo de animal é um absurdo, mas acho que criar um cachorro preso no pátio não é o mesmo que conviver com ele dentro de casa, minha Lhasa é parte da família, comer carne ou não, está fora da questão agora e sim porque comprar um cachorro que custa mais de 500 reais e espancar em frente a sua filha até a morte? Só quem convive de perto com esses pequenos seres indefesos que devotam sua vida a nos fazerem felizes é que sabe o tamanho da dor da indignação e da revolta que se pode sentir vendo esse vídeo. A minha adoção e busca por um cachorrinho foi uma forma de terapia para depressão, o que começou como uma tentativa de auxiliar o espírito terminou em amor maternal. Sou mãe de dois meninos e o amor que sinto pela minha lhasa é tão grande quanto o amor que sinto pelos meus filhos, chocante ou não ela é parte importante de nossa família e faz nossos dias mais felizes. E viva as pessoas que conseguem entender a grandiosidade do amor de um animalzinho seja ele qual for...

    ResponderExcluir