sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

inventando surpresas


passei dez dias na estrada, de cidade em cidade da região sul do país, dormindo em hotéis sem luxo nenhum, comendo em restaurantes bons e baratos, curtindo a vida com JK e um grande amigo nosso. 

antes de deixar São Paulo para trás, rascunhamos apenas um roteiro básico. Onde dormir, onde comer, onde parar deixamos para decidir durante a viagem.     

foi uma travessura e tanto. 4.150 quilômetros rodados e, por sorte, nenhum pneu furado. No caminho, sol e chuva; calor e frio; poeira e asfalto; estradas vazias e estradas congestionadas; uma briga aqui, outra acolá; e muitas risadas.

voltei exausto, com o sono desregulado e o corpo moído. Mas voltei revigorado e cheio de histórias para contar. A depressão larguei em algum lugar entre Curitiba, Foz do Iguaçu, Gramado, Florianópolis e a praia do Pinho, em Santa Catarina. 

já escrevi diversas vezes aqui que acho a vida uma chatice, um acordar e dormir tedioso com um ovo frito no meio. 

para suportar esse marasmo existencial necessitamos de alguma surpresa de vez em quando. E se a surpresa insiste em não vir, acho que devemos nós mesmos inventá-la. Foi o que fizemos. De última hora, inventamos essa viagem. 

sim, podia ter sido um desastre. Dar tudo errado. O motor do carro fundir. Sermos sequestrados por paraguaios na sucursal do inferno chamada Ciudad del Este. 

nada disso aconteceu. Voltamos sãos e salvos. E eu, ainda mais convencido de que a vida só vale a pena quando mudamos de lugar, de trajeto, de calçada, de paisagem, de assunto. Quando juntamos força para interromper o curso anestesiante do dia após dia. 

e não se trata de ter dinheiro ou tempo para fazer isso ou aquilo. Trata-se de comandar a própria vida e, na medida do possível, fazer o que der para torná-la um pouquinho menos aborrecida. Vale qualquer coisa. Só não vale ficar parado, esperando que algo bom aconteça por “milagre. 

como abandonei minhas “pílulas da felicidade”, acho que vou tentar vencer essa minha preguiça de viver inventando pequenas surpresas de tempos em tempos. 

é modo eficaz de me surpreender e revalidar minhas vontades. 
     

3 comentários:

  1. adoro coisas assim: "vamos fazer tal coisa? vamos! quando? AGORA, TO INDO AI!"

    sempre me lembro daquela musica do rapa "navegar é preciso senao a rotina te cansa..." é por ai, marcossss, é por ai...

    ResponderExcluir
  2. Marcos... Sempre levei minha vida assim, sem planejamento! E até agora deu certo! Nunca fui maníaco-depressivo, e tbm sempre evitei medicamentos. Sei lá! Acho que planejar demais não leva a lugar nenhum. Tornamo-nos meros autômatos. Vamos viver! Simplesmente deixar rolar!

    ResponderExcluir
  3. Esse seu texto me fez lembrar que uma viagem - nem lembro agora o ano - para lugares similares a estes, tb muuuuito longa nos revezando na direção, tb muito divertida, com quase as mesas pessoas e com a praia do Pinho no meio tb :)))))))

    Saudades dessa época em que nos víamos e falamos mais :))

    Então deixo uma ideia: nessa sua proposta de fazer surpresas a vc mesmo, que tal vc vir de surpresa por aqui?

    Chata eu com essa cobrança hein!!! :))) Mas sei que como vc é uma pessoa "meio complicada" :))) te deixo uma ideia para uns meses a frente: convido vc e o Jorge para virem aqui no meu niver de 45 anos, que é so em setembro, e nem sei onde/como/e se vou fazer algo, mas de qq forma gente poderia conversar :)))

    bjs saudades!

    ResponderExcluir