terça-feira, 8 de maio de 2012

a condição de depressivo


Marcos, bom dia!

Hoje através de uma consulta ao Google buscando maiores detalhes sobre o remédio EXODUS, me deparei com o seu blog, onde consegui mais do que informações, uma importante contribuição: A TROCA DE EXPERIÊNCIAS.

Li alguns depoimentos de pessoas que ali encontraram um certo alento, não por acharem solução para o seu problema maior (DEPRESSÃO), mas sim pelo fato de poder trocar experiências/informações, sentirem-se pertencentes a um grupo.

Apesar da minha busca por informações, não fui acometido por esta doença (depressão), pelo menos ainda acredito nisso… rs. Mas, minha esposa teve este diagnóstico há algum tempo e recentemente - devido a um fato bastante impactante - entrei neste tratamento junto com ela; desde então tenho tentado me informar e ajudar no que posso. Ela está tomando o EXODUS há 30 dias, mas ainda oscila muito, por isso minha busca por informações.

Gostaria de parabenizá-lo, antes de tudo por sua coragem de assumir publicamente a condição de "depressivo". Isto é MUITO DIFÍCIL, já que, para alguns desinformados (e outros ignorantes), isto parece ser um sinal de fraqueza e consequentemente fruto de muita discriminação. Deixo aqui registrado que, contrariamente a este senso comum, assumir-se é uma prova de extrema bravura e, transformar sua dor num projeto tão interessante, como seu blog, um ato de extrema gentileza e caridade.

Talvez, caso haja espaço, você também pudesse nos incluir nas suas sensatas reflexões, nós os que orbitamos junto as pessoas que são acometidas pela depressão; é uma realidade muito difícil de viver e também precisamos de ajuda. Fica a sugestão.

Parabéns!

**********

Fiquei com essa mensagem recebida por e-mail guardada por algum tempo sem saber como agradecer ao autor pelas boas palavras. Achei que transformar a mensagem num post seria o melhor agradecimento. 

Também acho desnecessário, neste momento, escrever qualquer coisa para “ajudá-lo", como ele mesmo sugere no final da mensagem. Acredito que alguém que busca informações sobre a depressão para auxiliar a esposa no tratamento é alguém consciente do quanto é importante manter-se ao lado, apoiando o depressivo, mesmo que seja "uma realidade difícil de viver".

Precisamos entender de uma vez por todas que depressão não é "frescura", mas doença como qualquer outra. Só assim podemos ajudar quem sofre desse mal e só assim o depressivo vai se sentir mais à vontade para assumir a sua condição.

Ao autor da mensagem, meu sincero agradecimento por entender isso de maneira tão sensata e livre de preconceitos.    

5 comentários:

  1. Tão bonito este exemplo de companheirismo do autor do e-mail, confesso que me emocionei.
    E "O Idiota..." continua bom, muito bom.

    ResponderExcluir
  2. olá a todos.

    tenho depressão a não sei quantos anos. hoje tenho 41 anos (nossa! não me sinto com 41!). li os textos e comentários e sabe de uma coisa? acho q estou me vendo aqui. encontrei pessoas parecidas comigo!!!!! cheguei a esse site por causa do Exodus. é difícil viver com depressão. é tão ruim viver infeliz. nada é tão interessante q me dê vontade de continuar a fazer: pintura, yoga, musculação, trilha... mas ultimamente estou ensaiando uma reação. quero muito encontrar a felicidade, mas onde? em que? quando? com quem?!?!?!?!? a vida passa e isso tem se tornado mais claro do que nunca para mim. tantas coisas q hoje eu vejo em mim e antes não via. isso é bom, é bom VER, ENXERGAR, mas às vezes é também triste. mas no fim é bom.
    é isso! vou continuar visitando o blog.
    um abraço a todos!

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcos, tudo bem???

    Também sou depressiva, e tomo remédio há anos (primeiro Fluoxetina e agora Sertralina).

    Depressão é uma doença, e doenças geralmente são curadas com remédios. Mas, conforme eu li, vc decidiu parar com a medicação...

    Também gostaria de parar, não quero me entupir de remédios pro resto da vida... mas tenho medo de não segurar a onda!

    O lance é "se conformar em viver triste"????

    Abs

    ResponderExcluir
  4. Encontrei seu blog ao buscar informações sobre o uso de ansiolíticos e anti- depressivos. Como o autor da mensagem também sofro com a depressão "por tabela", na verdade com o transtorno de ansiedade, diagnóstico clínico do meu marido. Ele está em uso de rivotril e paroxicetina há uma semana e vi pouco resultado, mas entendo que ainda não deu tempo de fazer efeito. Deixo o meu relato da dificuldade de conviver com esse "males da alma" e do sentimento de frustração de não conseguir trazer felicidade para a pessoa que está ao seu lado e que você ama.

    ResponderExcluir