domingo, 27 de maio de 2012

pé na bunda


quantos pés na bunda você já levou? Eu, vários. E nunca é fácil suportar o impacto de um pé na bunda bem executado. Dói. Às vezes, é dorzinha que logo passa. Outras vezes, necessitamos de tempo – muito tempo de cama e canja de galinha – até sacudir a poeira e recuperar o amor próprio.

o pé na bunda é um soco certeiro – e, quase sempre, inesperado – no lugar que mais machuca: o nosso orgulho. Pé na bunda é rejeição. E ninguém, absolutamente ninguém, aceita a rejeição sem quebrar alguns pratos na parede.

o pior é que, normalmente, quem recebe o pé na bunda costuma sentir-se o responsável por tê-lo recebido. “Onde foi que eu errei?”, questiona-se, com a bunda dolorida.

é sempre assim: quem dá a última palavra sai por cima, todo cheio de si por ter se livrado do outro antes que o outro se livrasse dele; e quem a recebe, fica com cara de bunda e a autoestima em frangalhos.

de qualquer forma, acho que é bem melhor receber logo um pé na bunda do que permanecer numa relação bege e desgastada, onde a única coisa que continua a se expandir e a evoluir é a barriga.

um pé na bunda, muitas vezes, é o impulso que faltava pra gente levantar do sofá, colocar o pé na estrada e sair de vez do ovo frito de todo dia onde estamos afundados.

ou você prefere manter-se ao lado de quem te afaga espiando outro?
        

Um comentário:

  1. Ui,e verdade o que vc postou. Sinto muito e desejo que vc de a volta por cima. Abraços.

    ResponderExcluir