quarta-feira, 9 de maio de 2012

piriguetes não tomam ansiolítico


nem sei explicar muito bem o tanto que eu amo as piriguetes. Em “Avenida Brasil”, surgiu outra de congestionar o trânsito: a Suelen, interpretada com gostosura pela Isis Valverde.

piriguetes são sobreviventes. Estão no mundo para o que der e vier e, mais ainda, para o otário que vier e der a elas o que elas mais desejam: viver a vida adoidado, viver como se não houvesse amanhã.

piriguetes têm moral flexível, falhas de caráter, ambição desmedida. E não estão nem aí para as beatas, para o que outros pensam delas. São a representação mais descarada e honesta do ser humano.

como todos nós, piriguetes também têm sua porção trágica. Mas, diferentes de nós, a cada tombo, a cada revés, conseguem se levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima.

piriguetes não tomam ansiolítico. Piriguetes têm "estômago de avestruz". Tomam uísque paraguaio para espantar o baixo astral. 

quer saber o que é autoestima? O que é autoconfiança? O que é “pensamento positivo”? Pois bem, rasgue seus enfadonhos livros de autoajuda e mire-se na desenvoltura "fuck the world" das piriguetes.

e nem adianta vir com aquele papo hipócrita de decência. Vivemos num mundo regido pelo dinheiro, onde os fracos não têm vez e cada um se vira com as armas que têm para escalar essa tal pirâmide social e "subir na vida". 

e as piriguetes só querem isso: se dar bem. E você, não quer?
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário