domingo, 1 de julho de 2012

God Bless America


Imagine a seguinte cena: você está na sala de cinema e uma gentalha mal-criada não para de falar, rir – e uma imbecil ainda atende o celular durante o filme. Incomodado, você respira fundo e, para evitar confusão, muda de poltrona. Mas a gentalha continua com a algazarra e, pra piorar, ainda faz pirraça de você.

Essa cena está em “God Bless America”, comédia dirigida pelo ex-Academia de Polícia Bobcat Goldthwait. O filme satiriza, sem muita inspiração, a classe média norte-americana em tempos de “realities shows” e “celebridades instantâneas”.

No filme, Frank (Joel Murray) e Chloe (Maddie Hasson) resolvem a pendenga da sala de cinema fuzilando sem dó a gentalha mal-criada. E fazem o mesmo com outros imprestáveis que a dupla acredita que sejam um problema para a humanidade.

É uma megera? Pow: morra! É um idiota? Pow: morra! É contra o casamento gay? Pow: morra! É um cretino mal-educado? Pow: morra!

Em “God Bless America”, os personagens assassinados por Frank e Chloe são clichês, aquele tipo de gente que até você mataria – ou, ao menos, encheria de porrada. 

Sim, tem sujeito que ainda não evoluiu do grunhido ao diálogo, da caverna ao concreto, e só entende a linguagem do soco na fuça.

Claro, "God Bless America" é apenas comédia protagonizada por dois personagens desequilibrados, mas confesso que vontade de matar não me falta quando, domingo de manhã, a vizinha ao lado resolve ouvir música ruim no último volume.

Assista ao trailer aqui 

Nenhum comentário:

Postar um comentário