segunda-feira, 6 de agosto de 2012

até as mães agridem

Os principais agressores de homossexuais são da própria família do homossexual. E as mães são as que mais agridem seus filhos gays.

Esses dados são de um relatório feito pela Secretaria Nacional dos Direitos Humanos e foram apresentados no programa Fantástico (05/08), da TV Globo.

Assista à reportagem aqui

O estudo analisou 6.809 denúncias de casos de homofobia em 2011 e concluiu que as agressões acontecem: 1) Em casa: 42%; 2) Na rua: 30,8%.

Que coisa, não? Quer dizer que aquela família feliz que aparece no comercial de um carro cantando Young Folks, do Peter Bjorn & John, não existe? É de mentirinha?

Poxa, que triste! Eu até já pensava em comprar o carro, acreditando que, assim, poderia ser feliz também. Ai, ai...

Noite dessas, um menino, num papo de calçada, em frente de um bar, contou que um tio dele, durante uma festa de família, fez insinuações grosseiras à sua sexualidade. O menino é gay, mas nunca assumiu para os pais. Claro, os comentários maldosos e desnecessários do tio deixaram todos constrangidos.

Família é isso: antro de maledicências e intrigas, onde todo mundo acha que tem o direito de se intrometer na vida de todo mundo. Por isso, não me surpreende que os principais agressores de homossexuais sejam os familiares. Não, mesmo!

Não é porque o sujeito é meu pai que ele é "santo". Nem minha mãe é isenta de preconceitos porque é minha mãe. Família é formada por gente, e gente é assim: estúpida.

Ainda bem que há casos em que o amor vence a intolerância. Mas isso tem mais a ver com educação do que com laços de família. Fosse o meio familiar o lugar mais seguro e bonito do mundo, não haveria mães agredindo seus filhos gays.

Pra finalizar, vale reproduzir o aviso da ministra da Secretaria de Direitos Humanos Maria do Rosário: "Nós identificamos que as circunstâncias de impunidade no caso dos crimes de caráter homofóbico contribuem para a continuidade dessa violência." 

Aviso dado. Só resta peitar a cambada evangélica do Congresso e aprovar logo o projeto de lei que pune a homofobia.      
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário