terça-feira, 11 de setembro de 2012

Antipatia à primeira vista


É batata! Se não vou com a cara do sujeito, sou incapaz de disfarçar o meu incômodo. Fico na defensiva, com o alerta vermelho ligado, como bicho que se sente ameaçado.

Não sei porque isso acontece. Mal conheço o sujeito, mas, sei lá, o santo dele não bate com o meu. É antipatia à primeira vista. Um estranhamento espontâneo.

Em situações assim, até certo ponto, procuro ser educado, polido. Só não sei ser político, sociável. Não consigo fingir que está tudo bem. Prefiro ignorar o sujeito, não puxar papo, não lhe dar ouvidos. Fico na minha.

Muitas vezes, reclamam de mim, dessa minha frieza quando me deparo com pessoas que me chateiam. E eu reconheço que tenho um temperamento desgraçado. Não provoco, mas posso ser extremamente grosseiro se provocado.

De qualquer forma, sempre desconfiei de quem é simpático com todo mundo, o tempo todo. Acho que existe uma boa dose de falsidade aí. 

O normal é a gente gostar de certas pessoas e desprezar outras. E se percebo que o meu santo não bate com o do outro sujeito logo de cara, procuro confiar no meu "sexto sentido" e manter distância segura.

Não sei agradar por conveniência.   

3 comentários:

  1. Querido amigo, somos dois.
    Mas, um dia, resolvi experimentar ser "sociável" pelo menos com a pessoa, meu alerta gritando e eu lá, fazendo a fina, daí, passou o tempo e fui convencida de que "eu não sou como os outros", resultado: me fudi.
    Era igual aos outros e eu não escutei a minha voz interior que nunca falhou, desta vez, fui eu quem falhei comigo mesma e estou pagando caro por isso.
    É certo uma coisa: a primeira impressão é a que vale mesmo! se o santo não combina, não insisita, vai dar merda, e deu!

    ResponderExcluir