quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Gay deve votar em gay?


Estava à toa na vida, sem louça pra lavar, quando, numa navegada preguiçosa pela web, soube que Serginho, o ex-BBB, é candidato a vereador em São Paulo.

Serginho, pra quem não sabe, é gay. E disse numa entrevista que, se eleito, pretende “lutar pela igualdade sexual”. Entre os seus planos está a criação de centros de psicanálise para homossexuais e pais de homossexuais.

Por ser gay e levantar a bandeira gay, Serginho, para se eleger, conta com o voto dos gays, apostando na grande quantidade de seguidores que tem no Twitter.

Pode ser. Pode ser que consiga. Na República das Bundas Alegres, qualquer “zé da quitanda” pode virar um “digníssimo” vereador, deputado, senador da República.

Mas Serginho, vale informar, é candidato pelo PSD – o partido da Senhora Kassab, a governanta com intestino preso que proibiu até mendigo de dormir em banco de praça. O ex-BBB disse ter recebido convites de vários partidos, mas achou que o PSD compartilhava dos mesmos “valores” que ele.

Hum, sei... 

Serginho também declarou que nunca pensou em ser político, que nunca foi envolvido com política. Se assim é, pergunto: se o cara nunca foi envolvido com política, que preparo ele tem para ser vereador? Outra pergunta: gay deve votar em gay?

É preciso cuidado. Assim como existem mulheres machistas, também existem homossexuais homofóbicos. Não acho que esse seja o caso de Serginho. Ele está mais para subcelebridade gay, usando discurso gay, para se dar bem com o voto dos gays.

Como nunca se angajou politicamente, se eleito, pode virar poste.

ps. Eleger candidatos gays é bom para aumentar a participação homossexual na política. Mas Clodovil, por exemplo, foi eleito deputado federal e não moveu um fio de cabelo pelas causas LGBTT. 
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário