sábado, 1 de setembro de 2012

O meu mal


Foi por culpa do Exodus – o antidepressivo que tomei durante alguns meses – que resolvi criar este blog. Objetivo: acalmar, por meio da palavra escrita, os meus monstros de estimação. E por falar neste insensato blog, chegamos em setembro e O Idiota Feliz! completa surpreendentes dois anos de existência.

Ufa! Ainda estou aqui. Aos cacos, mas vivo.     

Hoje, não tomo mais o Exodus. Abandonei os medicamentos. Estou curado? Não, claro que não. Estou me virando. É que percebi que o meu mal não tem cura. Sou assim: melancólico. Vim ao mundo assim: inconformado. E gosto de ser assim: implicante.

Decidi que não quero mais ser feliz como os outros. Não quero seguir a boiada e passar a vida fazendo aquilo que os outros esperam que eu faça; sendo aquilo que os outros esperam que eu seja.

Aviso: favor não esperar nada de mim. Não sou obrigado a agradá-lo.

Acho que procurei o psiquiatra e embarquei para a Terra dos Zumbis Felizes por me sentir deslocado, na contramão, em desacordo com essa “alegria de viver” barulhenta | fedorenta | lamacenta que move os habitantes da República das Bundas Alegres.

Que coisa, não? Acho que desejava pertencer... Mas descobri – eba! que posso viver muito bem, obrigado, com minhas dores, com meus monstros, com minhas insatisfações. Posso seguir em frente sem ter que me encaixar, me submeter, sair pra balada sábado à noite com o Michel Teló.

Cada vez mais sei quem eu sou. E cada vez mais aprendo a lidar com as minhas impossibilidades. Verdade absoluta: jamais serei feliz como querem que eu seja e não há nada de errado nisso.

7 comentários:

  1. Eu sofro de melancolia crônica, como você, acho. Há muito que venho 'sondando' seu blog. Querendo escrever, mas com medo da angústia que o simples ato de escrever sobre mim poderia poderia fazer um estrago. Escrever sobre mim, pois não quero comentar, aconselhar, dizer que isso ou aquilo poderiam aliviar. Respeito você e sei que a dor, só quem sente sabe. Me atrevo a falar de mim, sem querer despejar melancias sobre sua cabeça. Atualmente faço análise, 3 vezes por semana há 20 anos, mas antes disso, minha história com terapêutas foi um horror. Estou há 20 anos porque fui ficando, achei o analista legal e um cara respeitador e com um compromisso sempre presente em relção a mim. Tomo vários medicamentos, mas desde o começo, ele não deu uma de reizinho, receitou e fim. Fomos experimentando, mudando, trocando a dosagem, brigando quando eu ficava mal e tomava um monte, briga de amor. Hoje estou estável, e tomando uma medicação que conseguiu ficar estável, mas atençao: estar estável é estar instável, triste, triste e triste. Às vezes melhoro, depois me vejo sózinho e triste, pois é uma doença crõnica. Quanto aos babacas, bundas alegres e o mito rede global da felicidade, eu conseguí dar um pé na bunda. Eu sou eu e eles são eles. Não sou 'o' inteligente e eles, não. Mas sei de mim. Como dizem: eu sou mais eu, na tristeza, na melancolia e nas várias qualidades e capacidades. Bom, eu só quis falar de mim e não encher o saco. Minha vida e algo em comum, talvez com você. Sei que você é um ótimo jornalista, trabalha bastante e escreve muito bem, pensa bem. Postei como anônimo, pois não sei como funcionam essas identidade Google, etc. Meu nome é José Solon, tenho 55 anos e, apenas no caso de querer escrever qualquer coisa que seja, meu email é contramanorider@hotmail.com . Abs.

    ResponderExcluir
  2. Aqui sou eu, outro "Google user" que veio parar no seu blog, rsrsrs! Que diga-se de passagem, achei bem bacana. Depressão e ansiedade, realmente temos algo em comum. Rivotril já é companheiro de viagem há vários anos. E agora, como estou em uma situação de stress que vem se arrastando há algum tempo, vou tentar o Exodus, ver no que vai dar, visto que "pior do que está não fica" (o que é uma grande mentira, não apenas eleitoral, o Tiririca que o diga ah ah ah!). Depois, resolvida minha situação particular - o que pode demorar alguns meses -, tentarei largar ambos. Mas é isso aí. Para a maioria das pessoas, psiquiatra e depressão é coisa "da sua cabeça", uma bobagenzinha qualquer. Não é bem assim. Em tempo... sábado à noite também gosto de ler um livro, ou jogar um bom videogame, e sim, odeio a porcaria do Michel Teló! E odeio pessoas falsas, prefiro ser verdadeiro e pagar o preço (bem caro!), do que me rebaixar ao nível dos falsos! Abraços e firme aí com o blog, a partir de agora serei leitor assíduo!

    ResponderExcluir
  3. Sou o anônimo que escreveu o primeiro comentário, passei o e-mail e não disse meu nome. Bem, me chamo José Solon e passei para dar um alô. Lí sua resposta e achei legal, bacana, um gesto de abertura. Desculpa, é que eu tinha medo de você hehe. Nem adianta dizer porque. Eu não sei, ou seriam tantas coisas, além dessas "minhocas" que eu ou talvez nós, os "pensadores" dia e noite acabamos tendo. Passei para dar um alô, fazer uma "visitinha". Pretendo fazer alguns comentários em outros departamentos do blog. Preciso ler com mais calma um pouco das várias postagens. Eu ia dizer também que passei par dar oi e ver como vai você. Sei que a gente nunca vai lá muito bem, mas temos vontade de fazer isso ou aquilo, desejos em relação à vida. E eu agora quis, na verdade, dizer que espero que esteja tudo bem, aspas, e quis que essa visita lhe fizesse bem. Abs. José Solon.

    ResponderExcluir
  4. Acho que fui eu quem escreveu esse post......

    ResponderExcluir
  5. Muito complicado admitir tais limitações,mas será mesmo limitação o fato de não pertencer a maioria, não gostar de oba-oba.
    Não faço uso de medicamentos, mas faço terapia.
    Muitas vezes sinto-me um E.T,não gosto do que a maioria gosta.
    Detesto cinema, detesto praia lotada, estrada lotada para feriado prolongado é uma tortura.Fila de restaurante me faz suar frio.

    ResponderExcluir
  6. A palavra 'melancolia' é muito contraditoria. Para alguns da área de saúd mental é o estado emocional sentido na 'depressão maior. Para outros é quase uma característica da pessoas, algo como 'a bile negra' dos românticos do século XIX. Mas acho importante salientar que a depressão é, acima de tudo, uma doença e uma doença incapacitante, nem todo mundo consegue conviver e produzir nos estados mentais e emocionais que ela suscita, portanto acho muito foda as contradições da propria área médica, as diferenças de categorizacão da psiquiatria, da psicologia e da psicanálise, pois elas fodem o pobre paciente que fica perdido no meio de diagnósticos - ou a falta de diagnóstico de fato que os psicanalistas adoram fazer e vir com aquelas nomenclaturas de merda sem no fim te ajudarem a sair do buraco.
    Claro que isso é a opinião de mais um zoado acometido do 'mal do século', mas acho muito complicadas essas confusões entre termos, conceitos e diagnósticos que por fim nos impedem de conseguir o que buscamos - o alívio para a dor da alma chamada depressão.

    ResponderExcluir
  7. Procurando no Google por quem parou de usar o Exodus e encontrei você. Eu decidi parar de tomar o Exodus 15mg + 15mg e Rivotril 1 mg quando o psiquiatria queria inserir a mais o Zetron 150 mg. Eu olhei para todas aquelas caixas e pensei: "cara, o que eu tô fazendo?". Eu sei que tem gente que PRECISA mesmo de remédio, mas será que é o meu caso? Eu me sentia mal pra caramba, tentei me matar, mas esses remédios só me doparam e me trouxeram uma felicidade que não era real. Eu percebi que meu problema era querer ser igual a todo mundo, querer me encaixar em um mundo que não faz sentido. Fazendo alguns cursos e meditações percebi que eu sou muito mais do que neurotransmissores e uma mente confusa, eu posso me curar sozinha, porque agora eu sei o que me trouxe á essa depressão. Eu faço terapia. Isso ajuda e não me dopa, faz eu continuar sendo a maluca que eu sou. Eu gosto de ser diferente, gosto de ser eu mesma, mesmo que incomode os outros. E eu incomodo porque sempre falo coisas que fazem as pessoas pensar, eu sou a "chata" vegetariana, que protege os animais, que tem o cabelo cacheado e não é linda como a atriz da tv, sou aquela que canta Raul Seixas pelos corredores, e que procura deus em todas as coisas... Porque eu estava tão incomodada em ser assim? Sabe, espero que os psiquiatras tenham discernimento quando derem um diagnostico, porque, no MEU caso foi só passar remédios e se vira. Obrigada por ter feito esse blog, me ajudou muito.

    http://gotinhasesperanca.blogspot.com

    ResponderExcluir