quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Contando vantagem

 
Aposto que você, leit@r esporádico deste insensato blog, já passou por isso. Num papo à toa, você conta alguma história que tenha vivenciado. Qualquer uma. Supostamente interessado, o seu interlocutor ouve a sua história. Aí, você termina de falar e o sujeito, sem fazer sequer um comentário sobre o seu relato, simplesmente começa a contar uma história melhor que a sua.

Dá raiva, não dá? Mas não adianta espernear. Assim é boa parte dos diálogos que travamos com as pessoas ao nosso redor: espécie de competição para ver quem viveu a história mais incrível, quem comprou o sapato mais caro, quem tem o pau maior, quem viajou ao lugar mais sensacional, quem é o mais “descoladinho”.

Disputamos até quem passou pela desgraça mais desgraçada. Nas salas de espera de consultórios médicos, por exemplo, as pessoas divertem-se concorrendo ao troféu “Pior Doença que Já Enfrentei”. Vence aquele que mais impressionar os outros com uma enfermidade bem fodida, daquelas que fazem o adoentado sofrer dores terríveis.

Verdade verdadeira: ninguém (a não ser, talvez, sua mãe) está realmente interessado em ouvir as suas histórias. Cada um tem suas próprias histórias para contar – e sempre mais emocionantes do que a sua. E mesmo que não sejam assim tão emocionantes, a pessoa dá um jeito de exagerá-las para torná-las mais atraentes. Ou inventa.

Uns mais, outros menos, somos todos contadores de vantagem. Faz parte da estranha natureza humana gabar-se, enaltecer as próprias experiências e menosprezar as experiências dos outros.

Tem uma propaganda de protetor solar que mostra duas mulheres conversando. Uma elogia a pele da jogadora de vôlei de praia; a outra rebate: "Também, usando tal produto até eu!". Quantas vezes não agimos assim quando somos atacados pela inveja, hein?
     

2 comentários:

  1. Quem nunca?
    Infelizmente as pessoas sempre têm histórias melhores que a nossa (inventada ou não).
    http://everythingihateintheworld.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Metalinguagem bloguística via comentários. Genial!

    ResponderExcluir