sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

E se nos tornássemos outra pessoa?

 
Cada vida é única... e cada vida traz consigo suas dificuldades. Nós frequentemente nos surpreendemos com o fato de que invejamos os outros.

“Ah, se eu fosse tão linda quanto a Marilyn Monroe.”
“Ah, se eu fosse uma estrela de rock.”
“Ah, se eu vivesse as aventuras de Ernest Hemingway.”

Se nos tornássemos outra pessoa, nos livraríamos de nossos problemas costumeiros – isso é verdade – mas teríamos outros, os deles!

Marilyn Monroe foi provavelmente a mulher sexualmente mais atraente, mais famosa e mais desejada de sua geração. Entretanto, ela sempre se sentiu só e afogava sua dor no álcool. Finalmente morreu de uma overdose de barbitúricos. Kurt Cobain, o vocalista da banda de rock Nirvana, tornou-se uma estrela em poucos anos. Ele se matou antes dos trinta. Hemingway, cujo prêmio Nobel e vida extraordinária não o salvaram de um sentimento de vazio existencial profundo, também cometeu suicídio. Nem talento nem glória nem dinheiro nem a admiração de mulheres e homens podem tornar a essência da vida fundamentalmente mais fácil.

Trecho do livro Curar, de David Servan-Schreiber (Sá Editora).
   

Um comentário:

  1. A ignorância é uma benção. (ou como diz você o idiota vive mais feliz)
    Não acredito que foram os prolemas destas pessoas que você descreveu que as mataram.
    Para mim foi o horror de ter que encarar estes problemas. É a consciência constante da existência dos mesmos que exaure as pessoas.

    ResponderExcluir