sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

A Grande Beleza e O Grande Burro

Para aqueles que entendem de cinema, "A Grande Beleza" é o melhor filme de 2013. E deve ser mesmo! 

O longa do cineasta Paolo Sorrentino, entre outras premiações, já levou o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro e concorre ao Oscar na mesma categoria. 

E se a crítica especializada afirma que o filme é uma obra-prima, quem sou eu para discordar?

Eu (reconheço!) sou um Grande Burro.

Assisti "A Grande Beleza" pensando que também acharia o filme uma obra-prima, o que me colocaria orgulhosamente entre aqueles que entendem de cinema. Mas eis que...

Sofri horrores para chegar ao final do filme. 

"A Grande Beleza" não é um filme fácil. É daquelas obras que, sem manual de instrução, um sujeito tosco como eu fica sem entender porra nenhuma do que está sendo mostrado na tela.

É inegável a beleza plástica do filme, tendo Roma como cenário. Isso eu consegui enxergar. Também percebi (acho) que a obra fala sobre decadência: humana, social, estética. De qualquer forma, não encontrei a "grande beleza" que muitos viram e eu não. 

Pra finalizar, confesso: estou com muita muita raiva desse filme. E o motivo é simples: "A Grande Beleza" é desses filmes que fazem eu me sentir burro, muito muito burro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário