quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Pra toda vida

Estava no meio do Atacama quando, de longe, sob o calor extremo do deserto, olhei para JK e, sem razão nenhuma, pensei: "É pra toda vida."

Foi a primeira que vez que pensei na nossa relação como algo definitivo. Antes, convivia com a possibilidade do fim, de que a nossa relação tinha prazo de validade e, certamente, acabaria. Ou por minha vontade ou por vontade dele ou por vontade de ambos. 

Não falam por aí que "tudo um dia acaba"? Pois então, eu achava que não iríamos sobreviver às nossas incompatibilidades. 

Mas o tempo foi passando, a gente foi superando as nossas diferenças (não todas) e, de repente, me vejo ao lado de JK para sempre.

Claro, não temos controle sobre os acontecimentos e tudo pode acabar na semana que vem. Mas não é esse ponto. O importante é que mudou a perspectiva, o modo como passei a encarar a nossa relação. Se, antes, acreditava em um possível fim; agora, acredito em permanência. Acredito que podemos seguir juntos "até que a morte nos separe". 

E é isso que faz eu cuidar dele. É isso que faz eu planejar futuros ao lado dele. É isso que faz eu continuar apostando em nós.

Se será pra toda vida, não sei. Só sei que acreditar nisso faz eu me empenhar ainda mais para que as coisas deem certo.

Um comentário:

  1. Lindo essa descoberta. Lindo ter sido naquele lugar.

    ResponderExcluir